16º EDIÇÃO DO FESTIVAL INTERNACIONAL DE CURTAS DE BELO HORIZONTE ::  | Curta o Curta

16º EDIÇÃO DO FESTIVAL INTERNACIONAL DE CURTAS DE BELO HORIZONTE

Por Curta o Curta em 15/09/2014 12:05


Na programação, além de filmes nacionais e internacionais, serão promovidos cursos e debates. Entre as novidades, está a 
Mostra Ken Jacobs, que vai se estender após o período do Festival

A Fundação Clóvis Salgado, por meio do Cine Humberto Mauro, realiza entre os dias 19 e 28 de setembro o 16º Festival Internacional de Curtas de Belo Horizonte – FESTCURTASBH. O evento, já consolidado no calendário nacional e internacional, terá exibição de filmes, debates e cursos ocupando o Cine Humberto Mauro, a Sala Juvenal Dias e o Espaço Multiuso Mari’Stella Tristão, no Palácio das Artes. A programação é inteiramente gratuita e inclui a exibição de 112 filmes – selecionados entre mais de 3 mil inscritos, que irão compor três mostras competitivas (Brasil, Minas e Internacional) e sete mostras paralelas: Animação, Corpo, Infantil, Juventude, Maldita, Materialidades e Movimentos de Mundo. Além das mostras dos filmes inscritos, o Festival vai realizar ainda duas mostras especiais dedicadas ao reexame e reinvenção histórica do cinema, alinhadas à programação do Cine Humberto Mauro. As atrações serãoexibidas durante o dia e à noite. O Palácio das Artes fica na Av. Afonso Pena, 1537 – Centro.

 

Na edição 2014 serão exibidos filmes de 26 países – Alemanha, Argentina, Austrália, Bélgica, Brasil, Canadá, Espanha, Estados Unidos, França, Grécia, Holanda, Inglaterra, Irã, Islândia, Itália, Japão, Lituânia, México, Paraguai, Portugal, Polônia, República Tcheca, Sérvia, Suiça, Taiwan e Vanuatu – e de outros 12 estados brasileiros: Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, São Paulo e Sergipe. “Todas as formas de fazer cinema serão contempladas nesta edição. A proposta é torná-la conceitualmente forte e disponibilizar todo o acervo ao público”, adianta o gerente de Cinema ecoordenador do FESTCURTASBH, Rafael Cicarini.

 

Entre os destaques da programação geral do FESTCURTASBH está o filme francês “Dialogue d’ombres”, o americano “Hacked Circuit”, e a coprodução de Alemanha, França, Itália e Portugal, “Redemption”. O primeiro, dirigido pelo casal Danièle Huillet e Jean-Marie Straub (28’), é um caso raro de colaboração póstuma. Baseado em um texto do escritor Georges Bernanos, o curta tem como data de realização 1954-2013 e retoma a colaboração do veterano diretor francês Jean-Marie Straub – expoente fundamental do cinema político moderno – com a esposa, Danièle Huillet, falecida em 2006. Já “Hacked Circuit” é uma produção de 15’ da artista experimental Deborah Stratman, que chega ao Brasil depois de estrear no prestigiado festival de Sundance. O filme é uma investigação sobre a manipulação do som nos filmes industriais norte-americanos a partir da recriação do processo de pós-produção sonora do filme “A Conversação”, de Francis Ford Coppola.  “Redemption” (28’), por sua vez, é produzido pelo português Miguel Gomes e já foi exibido em festivais como os de Veneza, Nova Iorque e Viena e premiado no BAFICI, em Buenos Aires. Esse é o mais novo curta de Gomes, responsável por filmes como “Aquele querido mês de agosto” (2008) e “Tabu” (2012), que colecionam dezenas de prêmios.

 

COMISSÃO DE SELEÇÃO – A comissão de seleção dos curtas brasileiros foi formada pela roteirista Anna Flávia Dias Salles; pelo crítico e cineasta João Toledo; pelo pesquisador e professor da Escola Livre de Cinema José Ricardo da Costa Miranda Junior; e a realizadora e pesquisadora audiovisual Maria Inês Dieuzeide, sob coordenação de Ana Siqueira. Já a seleção de curtas internacionais foi coordenada por Victor Guimarães e composta pelo membro da Associação Imagem Comunitária e finalizador e montador de cinema Bernard Belisário; pelo integrante da Associação Filmes de Quintal e um dos organizadores do ForumDoc.BH Ewerton Belico; pela pesquisadora de cinema Hannah Serrat; pelo pesquisador Roberto Cotta, pelo curador e realizador de cinema Tiago Mata Machado e pela crítica de cinema e professora da Escola Livre de Cinema Ursula Rösele.

 

MOSTRAS ESPECIAIS – Na 16ª edição do FESTCURTASBH serão realizadas duas mostras especiais produzidas por curadores convidados. Uma delas é a Retrospectiva Ken Jacobs,com filmes do cineasta experimental americano, sob curadoria de Carlos Adriano. “A mostra Ken Jacobs irá se estender ao período do Festival, com mais seis dias de deleite do público. Esseplus é uma das novidades da 16ª edição”, adianta Rafael Cicarini. Ken Jacobs, diretor de ‘Tom, Tom, o filho de Piper’ (1969, EUA) e de ‘Star Spangled to Death’ (2004, EUA), nasceu em 1933 no Brooklyn, em Nova York/EUA. O cineasta começou a produção de filmes em 1955 e hoje registra vasta filmografia de extrema importância para o cinema experimental e underground norte-americano. Reconhecido em todo o mundo, já teve uma retrospectiva completa de sua obra no Museu Americano da Imagem em Movimento, em Astoria, Queens, em 1989; e retrospectiva parcial em 1996, elaborada pelo Museu de Arte Moderna de Nova York, entre outras realizações.

 

Roger Koza, por sua vez, foi convidado especialmente para a curadoria de uma mostra com foco nos curtas argentinos, sendo alguns em co-produção com outros países. Com o nome de Lapsos de Vida, a mostra irá apresentar dez títulos: La Reina, Sociales, El Modelo, No Sé María, El Asombro, Sin Título, Que Caigo?, Ahora Es Nunca, Hábitat e De La Necesidad de Navegar Los Mares. Os trabalhos escolhidos pertencem a diretores consagrados, conhecidos e desconhecidos. Há filmes que poderiam ser considerados “profissionais” e outros, “amadores”. Roger Koza – colunista, crítico de cinema e diretor do programa de televisão ‘El cinematógrafo’, contextualiza: “Todos os filmes selecionados nesta mostra são importantes por diferentes motivos. Em quase todos os casos, vi que o diretor ou a diretora buscou algo, intuiu alguma forma cinematográfica e, inclusive, em algumas ocasiões, concebeu e projetou uma ideia de cinema com um sentido forte. Os temas escolhidos para serem retratados são diferentes, ainda que eu tenha tentado com que os filmes se choquem ou estabeleçam, entre si, uma empatia temática e estética. No conjunto, me parece, é possível pontuar algumas questões do cinema contemporâneo, em geral, e do cinema argentino, em particular”.

 

MOSTRA COMPETITIVA – A mostra competitiva é dividida nas categorias BrasilMinas eInternacional, nas quais os participantes concorrem a prêmios em dinheiro e ao Troféu Capivara 16º FESTCURTASBH. Na competitiva Brasileira, 21 curtas irão disputar o prêmio de R$ 5 mil. A competitiva Internacional vai reunir 16 títulos, de 12 países, disputando também R$ 5 mil. Já na competitiva Minas, serão oito produções concorrendo a R$ 2 mil.

Além dos filmes eleitos pelo júri oficial, também serão reconhecidos os curtas-metragens eleitos pelo júri popular, que receberão, além do troféu do 16º FESTCURTASBH, diversos prêmios em serviços audiovisuais. O melhor curta-metragem, eleito pelo júri popular, terá direito ao Prêmio CineColor, com duas diárias de correção de cor, dez horas de mixagem 5.1 e uma master DCP sem legenda. O melhor curta-metragem mineiro leva o Prêmio Contorno Áudio e Video – cópia de 100 DVDs para curta-metragem de até 40 minutos (DVD, cópia, silk e box de DVD) – e o Prêmio REC Stúdio, com edição de som e mixagem 5.1 para curta-metragem de até 40 minutos.

MOSTRAS PARALELAS – A Mostra Paralela divide os curtas por assunto e oferece vasto cardápio aos participantes. Nesta edição, os temas são Animação (12 filmes), Corpo (8), Infantil(11), Juventude (13), Maldita (4), Materialidades (12) e Movimentos de Mundo (7). Todos os títulos exibidos, exceto os da Mostra Infantil, também concorrem ao prêmio de júri popular. 

 

ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA – O gerente de cinema e coordenador do FESTCURTASBH, Rafael Cicarini, chama a atenção para o intercâmbio de ideias e conhecimento proporcionado pelo Festival. “Serão dez dias de evento onde público, pesquisadores e profissionais do cinema irão transitar e conviver. Esse não é um Festival apenas para quem gosta de cinema. Ele é para todos os interessados nas manifestações artísticas de maneira geral. Por isso, nosso desejo é de que os belo-horizontinos abracem o evento, assistiam aos filmes, dialoguem e vivenciem essa experiência, totalmente aberta ao diálogo e ao contato entre o público e a produção dos curtas”, destaca Cicarini.

 

Para facilitar o diálogo entre os diversos públicos, a 16ª edição do FESTCURTASBH já prepara olocal de convivência no Espaço Multiuso Mari’Stella Tristão, onde estarão dispostas mesas de debate, ambiente para a imprensa e cabines para até duas pessoas, dotadas de som e imagem de qualidade, onde os interessados poderão assistir a todos os filmes inscritos na edição deste ano, com liberdade para montar a própria programação ou assistir às sessões já exibidas.

 

O projeto de ocupação do Espaço Mari’Stella Tristão traz a assinatura dos arquitetos Wellington Cançado e Ivie Zapellini. Para a ambientação da área de 280 m², foram propostas soluções sustentáveis, contemplando a criação de mobiliário a partir de materiais reutilizáveis.

 

SOBRE O FESTCURTAS BH

FESTCURTASBH foi criado em 1998 para difundir a produção e exibição de curtas-metragens, além de contribuir para a reflexão sobre os filmes exibidos e incentivar o intercâmbio entre a produção brasileira e internacional. Considerado um dos mais importantes eventos do audiovisual brasileiro e já consolidado nos calendários nacional e internacional, a edição 2014 do Festival recebeu mais 3 mil inscrições de 26 países e de outros 12 estados brasileiros.


Fonte: Letícia Bessa


Comente aqui...


Você precisa digitar algo na caixa de texto.
Não foi possível enviar seu comentário.
Informe um e-mail válido.
Você precisa informar um nome.
Você precisa digitar algo na caixa de texto.

Jornal do Curta




[confira outras notícias]