“O Sarcófago” é o melhor curta-metragem do CineEsquemaNovo 2011 ::  | Curta o Curta

“O Sarcófago” é o melhor curta-metragem do CineEsquemaNovo 2011

Por Guilherme Whitaker em 02/05/2011 12:21


O CineEsquemaNovo 2011 – Festival de Cinema de Porto Alegre anunciou na noite deste sábado, 30 de abril, os vencedores da sua sétima edição. O melhor longa-metragem escolhido pelo júri de premiação é o filme “Pacific” (PE), de Marcelo Pedroso, e o vencedor entre os curtas e médias é “O Sarcófago” (BA), de Daniel Lisboa. Também receberam prêmios os longas “Luz nas Trevas - A Volta do Bandido da Luz Vermelha” (SP), de Helena Ignez e Ícaro Martins (melhor direção); “Chantal Akerman, de Cá” (RJ), de Gustavo Beck e Leonardo Luiz Ferreira (troféu melhor dispositivo) e “Álbum de Família” (BA), de Wallace Nogueira, que recebeu o prêmio especial do júri. Entre os curtas, além de “O Sarcófago”, foram premiados também “As Corujas” (CE), de Fred Benevides; “My Way” (PE), de Camilo Cavalcante, e “Raimundo dos Queijos” (CE), de Victor Furtado.

O prêmio da nova crítica, oferecido pelos participantes da oficina de crítica cinematográfica realizada durante o CEN 2011, foi dado ao filme “Ex Isto”, de Cao Guimarães, enquanto os filmes escolhidos pelo júri popular foram “Céu, Inferno e Outras Partes do Corpo” (RS), de Rodrigo John (melhor curta) e “Luz nas Trevas - A Volta do Bandido da Luz Vermelha” (melhor longa).

O CineEsquemaNovo reuniu em Porto Alegre quase 70 convidados, entre realizadores, artistas, curadores, produtores e pesquisadores do Brasil e do exterior, que durante uma semana transformaram a capital gaúcha num local de reflexão e pensamento a respeito da produção audiovisual contemporânea. Foram exibidos cerca de 80 filmes, 39 nas Mostras competitivas de curtas e longas-metragens e os demais na mostra internacional ou como filmes convidados. O CEN também trouxe à cidade duas importantes exposições de artes visuais e promoveu eventos como uma sessão Drive In e lançamentos de livros sobre cinema, uma programação em que todos as atividades convergiram para o tema central do festival neste ano, o cruzamento entre o cinema e as artes visuais.

Confira abaixo a lista de vencedores da sétima edição do CineEsquemaNovo com as respectivas justificativas para os prêmios.


LONGAS METRAGENS
(júri: Bruno Vianna, Júlia Rebouças e Roger Lerina)

Melhor filme: “Pacific”, de Marcelo Pedroso (PE)
Justificativa: Uma aposta arriscada: orquestrar uma polifonia de narrativas de personagens que não sabem que estão criando uma ficção de si mesmos. Ou sabem? Pacific mergulha na ambigüidade e emerge com um retrato múltiplo que propõe uma nova forma de documentário e, para além disso, trata os personagens com dignidade.

Prêmio especial do júri: “Álbum de Família”, de Wallace Nogueira (BA)
Justificativa: O mote evolui e amadurece no desenrolar do próprio filme. A utilização inteligente e sensível da luz e da montagem conduzem o espectador com interesse crescente pelo desenrolar da história. O desfecho roça perigosamente o sentimental, mas o tom crepuscular mantém até o fim a narrativa a palo seco.

Melhor direção: para Helena Ignez e Ícaro Martins, de “Luz nas Trevas - A Volta do Bandido da Luz Vermelha” (SP)
Justificativa: O risco de novo: totem do cinema brasileiro, “O Bandido da Luz Vermelha” é revisitado com frescor e despudor graças à mise-en-scene afiada, que extrai do elenco uma atuação com sangue, ritmo e entrega.

Troféu melhor dispositivo: “Chantal Akerman, de Cá”, de Gustavo Beck e Leonardo Luiz Ferreira (RJ)
Justificativa: Opção estética que respeita e remete à personagem, o documentário expõe suas entranhas com franqueza ao espectador. Em vez de fragilizar-se, porém, o filme cresce ao incorporar suas insuficiências – e ecoa o próprio desvelamento de Chantal, humanamente imperfeita diante do dispositivo rigoroso.


CURTAS E MÉDIAS-METRAGENS
(júri: António Manuel Câmara, Leo Felipe e William Hinestrosa)

Melhor filme: “O Sarcófago”, de Daniel Lisboa (BA)
Muito mais que um registro sobre a atividade artística, “O Sarcófago” é uma imersão no universo enigmático de Jayme Fygura. Não há espaço para didatismo. Montagem expressiva, ritmo e matéria. Um filme sobre a arte.

Prêmios livres:
“As Corujas”, de Fred Benevides (CE)
Uma experiência audiovisual plena. As Corujas perturbam a morte e a literatura também está no jogo.

“My Way”, de Camilo Cavalcante (PE)
Tristeza e solidão como condutoras de uma narrativa que sai das ruas de um carnaval e atinge verdadeiros outros sentimentos. É bom quando o cinema faz tocar.

“Raimundo dos Queijos”, de Victor Furtado (CE)
O duplo olhar do espectador e da câmera constrói uma dialética com humor e leveza. Victor Furtado, diretor e personagem, nos mostra em Raimundo dos Queijos não somente um ambiente familiar urbano de domingo, mas sobretudo um retrato brasileiro.

Filme vencedor do prêmio da crítica: “Ex Isto” de Cao Guimarães (MG)
Pela reinvenção de uma obra literária na linguagem do cinema por meio de um projeto consistente em suas concepções narrativa e visual.

Melhor filme de longa metragem escolhido pelo júri popular: “Luz nas Trevas - A Volta do Bandido da Luz Vermelha”, de Helena Ignez e Ícaro Martins (SP)
Melhor filme de curta ou média metragem escolhido pelo júri popular: “Céu, Inferno e Outras Partes do Corpo”, de Rodrigo John (RS).


Informações para a imprensa:
BD Divulgação - Bebê Baumgarten, Gabriela Almeida e Kellen Hoehr
(51) 3028.4201 / 8111.8703 / Nextel - 7814.2244 - ID 84*39184
www.bddivulgacao.com.br
 

 XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

 

Começa no próximo sábado, dia 23 de abril, a sétima edição do CineEsquemaNovo – Festival de Cinema de Porto Alegre. Durante uma semana, sempre com entrada franca, o CEN transformará a capital gaúcha num pólo de discussão e reflexão sobre o audiovisual, com a exibição de mais de 80 filmes divididos em quatro mostras, duas exposições de artes visuais, uma mostra internacional, seminários, debates e uma oficina de crítica cinematográfica. O CEN 2011 reúne mais de 50 convidados entre realizadores, artistas, curadores e jornalistas que vêm à cidade exclusivamente para participar do festival. As atividades do CineEsquemaNovo serão realizadas na Usina do Gasômetro (Sala P. F. Gastal e Galeria Lunara), Cine Santander Cultural, Cine Bancários e Atelier Subterrânea.

Para esta edição, o CEN recebeu mais de 900 inscrições de filmes para as mostras competitivas, sendo 82 deles longas-metragens, o que posiciona o festival como um dos mais prestigiados eventos de audiovisual do país na comunidade de realizadores. Deste total de inscritos, 39 obras foram selecionadas, 12 longas e 27 curtas e médias, numa amostragem que passeia pelas mais diversas propostas de gênero, formato e método de produção.

Ao voltar o seu olhar ao cinema “pós-industrial” - termo cunhado pelo pesquisador Cezar Migliorin, convidado do CEN 2011 -, o festival não se vincula a uma geração de realizadores ou a movimentos específicos de produção artística. O Festival de Cinema de Porto Alegre recebe e amplifica uma produção audiovisual independente, brasileira, latino-americana ou internacional que obriga a ordem estabelecida a ouvir novas vozes, criar novas unanimidades e exceções, relativizar padrões, subverter sistemas industriais de produção de imagens e alterar raciocínios estabelecidos sobre o que é cinema ou o que são artes visuais.

Depois de seis edições, e rumo a esta sétima, o CineEsquemaNovo acompanha as trajetórias de realizadores e de um tipo de produção foi outrora considerada “menor”. Porém, é justamente este cinema pós-industrial brasileiro o que mais vem sendo reconhecido, valorizado e premiado dentro e fora do país, em detrimento dos “grandes filmes” nacionais que em pouquíssimos casos têm ecoado junto às audiências estrangeiras.

Ao direcionar seu olhar a esta produção, o CEN se coloca como um espaço destinado não só à exibição de filmes, mas também (e tão importante quanto) ao pensamento e ao debate sobre assuntos que gravitam em torno de um tema único: o status da imagem na contemporaneidade. Este “problema” é traduzido pelas mostras competitivas, que apresentam um cinema híbrido e dotado de fortes intersecções com as artes visuais, mas também pelas outras atividades que compõem a programação do festival em sua sétima edição.

O CineEsquemaNovo 2011 – Festival de Cinema de Porto Alegre (CEN) acontece de 23 a 30 de abril no Centro Cultural Usina do Gasômetro, Cine Bancários, Cine Santander Cultural e Atelier Subterrânea. Conta com o patrocínio da Oi e da Petrobras, e é financiado pelas leis Federal (Rouanet) e Estadual (LIC-RS) de incentivo à cultura. A co-realização é da Coordenação de Cinema, Video e Fotografia da Secretaria de Cultura – Prefeitura de Porto Alegre, com o apoio cultural da Oi Futuro e Santander Cultural, apoio do Cine Bancários e parceria do Atelier Subterrânea.

 

Um resumo da programação do CEN 2011:

 

Filme de Abertura

“Os Residentes”, de Tiago Mata Machado

 

Mostra competitiva de longas-metragens

Exibição de 12 longas – três deles inéditos - selecionados entre 82 inscritos.

 

Mostra competitiva de curtas e médias metragens

Exibição de 27 curtas e médias oriundos de 11 estados brasileiros.

 

Exposição “Expiração 02”

Instalação do artista mineiro Pablo Lobato, aberta para visitação no Atelier Subterrânea durante o CineEsquemaNovo.

 

Exposição “Ficções”

Na galeria Lunara (Usina do Gasômetro) com trabalhos em vídeo e fotografia de quatro artistas: Alessandra Sanguinetti (EUA/Argentina), Jonathas Andrade (PE), Cinthia Marcele (MG) e Sofia Borges (SP).

 

Mostra Panorama de Festivais Internacionais

O CEN traz a Porto Alegre 35 filmes de curta-metragem, a maioria inéditos no Brasil, que foram exibidos em importantes festivais de cinema, videoarte, cultura digital e media art: BAFICI, da Argentina; Temps D’Images, de Portugal; Semana de Cine Experimental de Madrid, da Espanha; Transmediale e European Media Art Festival (ambos da Alemanha).

 

Filmes convidados CEN 2011

A programação internacional do CEN 2011 é complementada com dois longas-metragens convidados: “Martha” (Marcelino Islas Hernández, México, 2010) e “Verão de Golias” (Nicolás Pereda, México, Canadá e Holanda, 2010). Um filme surpresa ainda será anunciado para o encerramento do festival.

 

Debates

Em sua sétima edição, o CineEsquemaNovo promove três debates com a participação de realizadores, artistas, curadores e pesquisadores sobre temas como políticas públicas de fomento ao cinema pós-industrial e as aproximações entre o cinema e as artes visuais.

 

Seminários

Cada um dos seis integrantes do júri do CEN 2011 ministrará um seminário durante o festival, visando discutir diversas áreas do pensamento cinematográfico e das artes visuais.

 

Oficina de crítica

A oficina de crítica cinematográfica acontece pela primeira vez em parceria com a Associação de Críticos do Rio Grande do Sul e será ministrada neste ano por Marcus Mello, programador da Sala P. F. Gastal, editor da revista Teorema e colaborador das revistas Cinética e Aplauso.

 

Mostra retrospectiva CEN 2009

No dia 23 de abril, os filmes premiados na última edição do CineEsquemaNovo vão ser exibidos antes da abertura oficial do CEN 2011.

 

Veja a lista de filmes selecionados para competição no CEN 2011:

 

 

CURTAS E MÉDIAS-METRAGENS

- 1976 - Lugar Sagrado, de Carlosmagno Rodrigues e Alonso Pafyeze (2010 – 05:35 – MG)

- A Banda dos 7, de Sara Ramo (2010 – 20:00 – MG)

- A Felicidade dos Peixes, de Arthur Lins (2011 – 24:50 – PB)

- A Janela (ou Vesúvio), de João Toledo e Leonardo Amaral (2010 – 08:50 – MG)

- As Aventuras de Paulo Bruscky, de Gabriel Mascaro (2010 – 20:00 – PE)

- As Corujas, de Fred Benevides (2009 – 20:30 – CE)

- Balanços e Milkshakes, de Erik Ricco e Fernando Mendes (2010 – 09:55 – MG)

- Cachoeira, de Sérgio José de Andrade (2010 – 13:47 – AM)

- Caos, de Fábio Baldo (2010 – 15:40 – SP)

- Cat Effekt, de Gustavo Jahn e Melissa Dullius (2011 – 40:00 – RU/BR)

- Céu, Inferno e Outras Partes do Corpo, de Rodrigo John (2011 – 07:33 – RS)

- Como é Bonito o Elefante, de Juruna Mallon e Lucas Barbi (2010 – 08:00 – RJ/MG/FR)

- Dia 1 P.M., de Aly Muritiba (2010 – 10:00 – BA)

- Handebol, de Anita Rocha da Silveira (2010 – 19:00 – RJ)

- Mens Sana in Corpore Sano, de Juliano Dornelles (2011 – 21:50 – PE)

- Meu avô, o fagote, de Tatiana Devos Gentile (2010 – 26:00 – RJ)

- My Way, de Camilo Cavalcante (2010 – 06:45 – PE)

- Náufragos, de Gabriela Amaral Almeida e Matheus Rocha (2010 – 15:00 – BA/SP)

- Número Zero, de Cláudia Nunes (2010 – 22:00 – GO)

- O Sarcófago, de Daniel Lisboa (2010 – 19:45 – BA)

- Orawa, de Felipe Barros (2010 – 03:41 – SP)

- Permanências, de Ricardo Alves Júnior (2010 – 34:00 – MG)

- Quatorze, de Leonardo Amaral (2010 – 10:30 – MG)

- Raimundo dos Queijos, de Victor Furtado (2011 – 16:00 – PE)

- Último Retrato, de Abelardo de Carvalho (2010 – 09:00 – RJ)

- Walter, de Pedro Henrique Ferreira (2011 – 24:00 – RJ)

- Wannabe, de Mauricio Ramos Marques (2009 – 20:00 – PR)

 

LONGAS-METRAGENS

- A Alegria, de Felipe Bragança e Marina Meliande (2010 – 100:00 – RJ)

(presente nos festivais de Cannes e Roterdã)

Sinopse: Fábula sobre a coragem. Luiza tem 16 anos e não aguenta mais ouvir falar no fim do mundo. Em uma noite de Natal, seu primo, João, desaparece nas ruas da cidade. Algumas semanas depois, sozinha em seu apartamento no Rio de Janeiro, Luiza recebe uma visitante no meio da noite lhe pedindo abrigo.

 

- Álbum de Família, de Wallace Nogueira (2010 – 70:00 – BA)

(inédito)

Sinopse: O documentário conta a história da viagem de um filho, o diretor do filme, em busca das lembranças de sua família. Depois da morte de sua mãe, sua inquietude o leva a mergulhar em sua memória. Decide, então, convidar seu pai, que não encontra há muito tempo, para ir com ele buscar o álbum de família.

 

- Baptista Virou Máquina, de Carlos Dowling (2011 – 60:10 – PB)

(inédito)

Sinopse: Futuro pós-industrial, a cidade deserta, Baptista, trabalha solitário incessantemente numa oficina de soldas. Sonha com músicas, sons do prazer humano olvidado. As máquinas sonham com os últimos devaneios da humanidade. Trilha visual de disco homônimo da banda Burro Morto.

 

- Chantal Akerman, de Cá, de Gustavo Beck e Leonardo Luiz Ferreira (2010 – 62:10 – RJ/SP)

(presente nos festivais FID Marseille, BAFICI e Viennale)

Sinopse: Um vídeo de entrevista.

 

- Desassossego, de Felipe Bragança e Marina Meliande (2011 – 63:00 – RJ/SP)

(presente no festival de Roterdã)

Sinopse: Baseado em uma carta escrita por um jovem cineasta e uma adolescente de 16 anos, 14 cineastas do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Ceará dirigiram 10 fragmentos de filmes, que foram costurados como uma carta-filme falando de amor, utopia, explosões e apocalipse.

 

- Ex Isto, de Cao Guimarães (2010 – 86:00 – MG/SP)

Sinopse: Ex Isto é um filme livremente inspirado na obra “Catatau” de Paulo Leminski. O poeta imagina uma hipótese histórica: “E se Rene Descartes tivesse vindo ao Brasil com Maurício de Nassau?”. Acompanhamos o pai da filosofia moderna em seu périplo pelos trópicos.

 

- Luz nas Trevas, de Helena Ignez (2010 – 83:00 – SP)

(prêmio da crítica em Locarno)

Sinopse: “Luz nas Trevas”, continuação do clássico “O Bandido da Luz Vermelha”, de Rogério Sganzerla, narra a história de dois dos mais famosos marginais de São Paulo. Seu filho, o bandido Tudo-ou-Nada, é o fio condutor que atravessa essa história política e existencial. Adorado pelas mulheres, Tudo-ou-Nada segue a “carreira” de seu pai a fim de desfrutar de uma ampla variedade de prazeres mundanos.

 

- Luzeiro Volante, de Tavinho Teixeira (2011 – 65:00 – PB/CE)

(inédito)

Sinopse: Deixai o mais distraído dos homens mergulhar em seus sonhos mais profundos: ponde-o de pé, movimentai-lhe as pernas, e ele infalivelmente vos conduzirá para a água.

 

- Mulher à Tarde, de Affonso Uchoa (2010 – 82:00 – MG)

(premiado com o Troféu Livre na 10ª Mostra do Fime Livre - 2011)

Sinopse: Três mulheres em uma casa. Por uma tarde.

 

- O Céu Sobre os Ombros, de Sérgio Borges (2010 – 71:00 – MG)

(melhor filme em Brasília, presente no festival de Roterdã)

Sinopse: Alguns dias de alguns personagens anônimos, comuns. São histórias inventadas pela vida, de pessoas que convivem com a marginalização. O filme é um gesto para revelar o quanto somos todos tão humanos, e quão semelhantes são nossos medos e desejos.

 

- Os Monstros, de Guto Parente, Luiz Pretti, Pedro Diógenes e Ricardo Pretti (2011 – 81:00 – CE)

Sinopse: Nenhum homem é um fracasso quando tem amigos.

- Pacific, de Marcelo Pedroso (2009 – 71:00 – PE)

Sinopse: Uma viagem de sonho em um cruzeiro rumo a Fernando de Noronha. As lentes dos passageiros captam tudo a todo instante. E eles se divertem, brincam, vão a noitadas. Desfrutam de seu ideal de conforto e bem-estar. E, a cada dia, aproximam-se mais do tão sonhado paraíso tropical...

Confira a programação completa e etc. AQUI.

 


Comente aqui...


Você precisa digitar algo na caixa de texto.
Não foi possível enviar seu comentário.
Informe um e-mail válido.
Você precisa informar um nome.
Você precisa digitar algo na caixa de texto.

Jornal do Curta


[confira outras notícias]