"ONDE A TERRA ACABA" E "DESI" ABREM FESTIVAL INTERNACIONAL DE DOCUMENTÁRIOS

Por Guilherme Whitaker em 29/03/2001 11:37


"ONDE A TERRA ACABA" E "DESI" ABREM FESTIVAL INTERNACIONAL DE DOCUMENTÁRIOS

Produção da Videofilmes, "Onde A Terra Acaba" traz a vida do cineasta Mário Peixoto
Dirigido pela brasileira Maria Augusta Ramos, "Desi" recebeu prêmio do público no Festival de Amsterdã


A cinebiografia do autor do mais mitológico título da cinematografia brasileira. A história de uma menina holandesa de 11 anos cuja mãe se suicidou. Estes os temas dos filmes de abertura do É TUDO VERDADE – 6º FESTIVAL INTERNACIONAL DE DOCUMENTÁRIOS, que acontece no Rio de Janeiro (29 de março a 8 abril) e em São Paulo (2 a 8 de abril) e é considerado o mais importante evento latino-americano dedicado ao gênero documental.

Programado para a abertura carioca do festival, dia 29 de março (quinta-feira) às 19h00 no Centro Cultural Banco do Brasil, Onde A Terra Acaba tem direção de Sérgio Machado e é uma produção da Videofilmes. Mostra a vida e a obra do cineasta Mário Peixoto (1908-1922), autor de um único longa-metragem, o mitológico Limite (1931), considerado por muitos o maior filme brasileiro de todos os tempos. O documentário traz raras imagens de arquivo, como um making of de Limite e fragmentos de Onde A Terra Acaba, longa não concluído pelo cineasta. As sequências têm narração de Matheus Nachtergale, a partir dos diários do cineasta, e depoimentos do próprio Mário Peixoto e dos diretores Carlos Diegues, Nelson Pereira dos Santos, Ruy Solberg e Walter Salles. Recém-finalizado, Onde A Terra Acaba tem sua pré-estréia mundial no É TUDO VERDADE – 6º FESTIVAL INTERNACIONAL DE DOCUMENTÁRIOS.

Vencedora em 1997 do Prêmio Especial do Júri de Renovação de Linguagem no É TUDO VERDADE com o filme Brasília, Um Dia em Fevereiro, a brasileira Maria Augusta Ramos radicou-se na Holanda em 1990. Em Desi, em exibição na abertura paulista do festival, dia 2 de abril (segunda-feira) às 21h00 no CineSesc, a diretora focaliza uma menina de 11 anos, que tem cotidiano absolutamente comum para sua idade: vai à escola, ouve cds, fofoca com as amigas e briga com os meninos. Mas seu pai frequentemente esquece de buscá-la na escola e sua mãe suicidou-se quando Desi tina apenas 18 meses de idade. Vencedor do Prêmio do Público no Festival de Documentários de Amsterdã 2000, o filme é uma história de sobrevivência: de como uma criança se adapta ao meio familiar e social em que vive. Nunca exibido fora da Holanda, esta é a première internacional de Desi.

Ambas as cerimônias de abertura têm condução da jornalista Mona Dorf (ex-Rede Globo, ex-TV Cultura).

Dirigido pelo crítico Amir Labaki, o É TUDO VERDADE – 6º FESTIVAL INTERNACIONAL DE DOCUMENTÁRIOS é uma co-realização entre a Associação Cultural Kinoforum, Centro Cultural Banco do Brasil, Sesc-São Paulo, Itaú Cultural, Secretaria do Audiovisual/Ministério da Cultura, Secretaria de Estado da Cultura de S. Paulo e a Secretaria Municipal de Cultura (São Paulo).

Comente aqui...


Você precisa digitar algo na caixa de texto.
Não foi possível enviar seu comentário.
Informe um e-mail válido.
Você precisa informar um nome.
Você precisa digitar algo na caixa de texto.

Jornal do Curta

[confira outras notícias]