"SACRIFÍCIO" E "A NEGAÇÃO DO BRASIL" VENCEM FESTIVAL INTERNACIONAL DE DOCUME

Por Guilherme Whitaker em 11/04/2001 11:56


"SACRIFÍCIO" E "A NEGAÇÃO DO BRASIL" VENCEM FESTIVAL INTERNACIONAL DE DOCUMENTÁRIOS


Evento teve recorde de público, exibindo 108 filmes para 14 mil pessoas.

(texto oficial)

Em cerimônia conduzida pela jornalista Mona Dorf e realizada na noite de Domingo no CineSesc (São Paulo) foram anunciados os vencedores do É TUDO VERDADE – 6º FESTIVAL INTERNACIONAL DE DOCUMENTÁRIOS. A Competição Internacional premiou o longa-metragem Sacrifício, dirigido por Erik Gandini e Tarik Saleh, uma revisão sobre quem teria delatado a presença de Che Guevara na Bolívia, fato que o levaria à morte. Na Competição Brasileira, venceu A Negação do Brasil, de Joel Zito de Araújo, uma análise das influências das telenovelas nos processos de identidade dos afro-brasileiros.

Considerado o mais importante evento competitivo documental da América Latina, o É Tudo Verdade aconteceu entre 29 de março e 8 de abril, ocupando onze salas de exibição de São Paulo e do Rio de Janeiro. No total, foram projetados 108 documentários, representando 21 países de cinco continentes. Compareceram às 186 sessões do festival mais de 14 mil pessoas, novo recorde do evento.

O Júri da Competição Internacional foi formado pelo cubano Ivan Giroud (diretor do Festival Internacional do Novo Cinema Latino-Americano de Havana), o austríaco Klaus Vetter (documentarista e atual diretor do Instituto Goethe do Rio de Janeiro) e Geraldo Sarno (cineasta baiano, homenageado na Retrospectiva Brasileira do festival este ano). A decisão em favor de Sacrifício foi unânime: segundo os jurados, o filme realiza "excepcional e complexa investigação; exprime essa investigação numa linguagem documental atual e inovadora; e apresenta personagens e informações que permitem a reinterpretação de fatos históricos de relevância internacional." Sacrificio recebeu o Troféu É Tudo Verdade, desenhado pelo artista plástico Carlito Carvalhosa, e mais R$ 7 mil.

O vencedor da Competição Brasileira também recebeu o Troféu É Tudo Verdade e R$ 7 mil. Os jurados dessa competição foram a produtora e diretora gaúcha Mônica Schmiedt (co-realizadora dos documentários A Invenção da Infância e Antártida, o Último Continente) e os paulistas Laís Bodanzky (diretora de Bicho de 7 Cabeças, vencedor de nove prêmios no último Festival de Brasília) e Roberto Gervitz (autor do longa Feliz Ano Velho e co-diretor do documentário Braços Cruzados, Máquinas Paradas). Segundo o Júri, A Negação do Brasil é "um contundente desnudamento de uma realidade, um filme onde se escancara de forma assustadora aos nossos olhos, questionando interpretações e impressões apaziguadoras sobre a condição do negro brasileiro. É um documentário que revela de forma cristalina aquilo que insistimos em não ver." A Negação do Brasil recebeu ainda o Prêmio Quanta – R$ 6 mil em locações de equipamentos – e o Prêmio de Pesquisa, devido a seu "impressionante, rigoroso e inédito garimpo de imagens televisivas"

O Júri da Competição Brasileira outorgou ainda o Prêmio GNT de Renovação de Linguagem ao longa-metragem O Fim do Sem Fim, produção mineira sobre profissões em extinção dirigida por Lucas Bambozzi, Cao Guimarães e Beto Magalhães. O filme mereceu o Troféu GNT e R$ 7 mil. Segundo o Júri, o filme realiza "uma vigorosa e inventiva combinação entre som e imagem, e se destaca por sua particular e envolvente poética cinematográfica, onde o discurso de um cinema moderno se confronta com as formas tradicionais de expressão popular."

Uma menção honrosa foi deliberada pelos jurados da Competição Brasileira a Glauces, Estudo de Um Rosto, de Joel Pizzini. Segundo a justificativa do júri, trata-se de um "ousado ensaio essencialmente cinematográfico que resgata a impressionante galeria de personas que se manifestam através de um dos rostos mais emblemáticos do cinema brasileiro. Daria para dizer que Joel Pizzini criou o último papel de Glauce Rocha, construindo através da montagem um personagem cubista. Através deste filme, o realizador segue seu caminho particular e expressivo no panorama do cinema não-ficcional brasileiro."

Premiação criada este ano, o Prêmio MinC de Aquisição selecionou, através de júri próprio, três títulos para exibição em emissoras não-comerciais: o paulista Ao Sul da Paisagem: Paisagens Invisíveis (de Paschoal Samora), o pernambucano A Composição do Vazio (de Marcos Enrique Lopes) e o carioca Onde A Coruja Dorme (Marcia Derraik e Simplício Neto). Cada um fez jus a R$ 5 mil.

Também deliberado por jurado próprio, o Prêmio TV Cultura de Documentário laureou um título inscrito no evento que não participou da competição (habilitam-se à esta premiação todos os inscritos no festival): Samba, da carioca Theresa Jessouron. O prêmio, de aquisição de direitos de exibição pela emissora, inclui o Troféu TV Cultura e R$ 7 mil.

Finalmente, a Associação Brasileira de Documentaristas outorgou o Prêmio ABD (um Troféu desenhado pelo artista plástico Guto Lacaz) ao longa Babilônia 2000, de Eduardo Coutinho.

Na cerimônia, foi anunciada a parceria entre o festival e o canal por satélite DirecTV, que prevê para o mês de maio a exibição de dez documentários pela emissora.

Dirigido pelo crítico Amir Labaki, o É TUDO VERDADE – 6º FESTIVAL INTERNACIONAL DE DOCUMENTÁRIOS é uma co-realização entre a Associação Cultural Kinoforum, Centro Cultural Banco do Brasil, Sesc-São Paulo, Itaú Cultural, Secretaria do Audiovisual/Ministério da Cultura, Secretaria de Estado da Cultura de S. Paulo e a Secretaria Municipal de Cultura (São Paulo).


Comente aqui...


Você precisa digitar algo na caixa de texto.
Não foi possível enviar seu comentário.
Informe um e-mail válido.
Você precisa informar um nome.
Você precisa digitar algo na caixa de texto.

Jornal do Curta


[confira outras notícias]