A Construção da Poética Cotidiana no SESC Ipiranga ::  | Curta o Curta

A Construção da Poética Cotidiana no SESC Ipiranga

Por Guilherme Whitaker em 11/08/2010 09:49


MOSTRA DE FILMES  e  CURSO SOBRE O CINEMA DE  NÃO-FICÇÃO DA AMÉRICA LATINA: A CONSTRUÇÃO DA POÉTICA COTIDIANA

Indagado sobre qual paralelo se poderia fazer entre a atual e a produção cinematográfica de sua geração, Nelson Pereira dos Santos respondeu: "O cinema se tornou difuso, há muitos autores, mas não há idéias definidas. Cada um procura suas condições de autoria, acredito que a globalização influenciou muito, possibilita uma comunicação mais rápida, que perde identidade. Os filmes são cada vez mais parecidos entre si."

Ou seja, o inverso daquilo que seria A Unidade na Diversidade, característica primeira dos movimentos fundadores do cinema de Não-Ficção latino-americano, quando haviam obras de diferentes estéticas e formas narrativas, mas com propostas claras e definidas, principalmente na forma de olhar, de dignificar a diversidade cultural dos países da região.

Essa é uma das razões que torna importante entender o trabalho da geração de cineastas fundadores do Novo Cinema Latino-Americano e da realização de uma mostra de cinema que busca pensar os conceito estéticos de suas obras, entendendo onde eles se expressam nas produções contemporâneas.

As experiências transmitidas de geração para geração servem não só para manter viva a identidade de um povo, como também para preservar a capacidade de refletir e construir. Afinal, Walter Benjamin, ainda em 1936, criticava a atitude moderna que consiste em desvincular-se da experiência acumulada pelas gerações passadas; o homem moderno já se sentia pressionado a estar sempre disponível para acolher o novo, fosse ele qual fosse! Pensemos na atualidade desta reflexão.

A crescente velocidade das mudanças e dos avanços tecnológicos faz com que as pessoas venham a se despojar de sua história e da memória de seus antepassados. Assim, a Mostra de Filmes A Construção da Poética Cotidiana projeta este tipo de cinema que ressalta as diferentes expressões de identidade cultural em respeito à Unidade na Diversidade.

Porém, o faz sem voltar ao passado, mas através de obras contemporâneas. Além de manter vivas - eternizar em imagens e som - as tradições e atos do cotidiano das pessoas e do povo, suas experiências sociais, artísticas e políticas, faz um importante contraponto ao conteúdo dos meios de comunicação massivos, que visam distrair e divertir o espectador com um tipo de produto onde o espectador não é estimulado a formar visão critica sobre sua realidade, ou tomar consciência sobre sua condição histórica e social.   (Pedro Dantas)


PROGRAMAÇÃO
por Pedro Dantas e Cristian Cancino

Terça-feira Quarta-feira quinta-feira 17, 18, 19 / 08

 
20h
Curso O Cinema de Não Ficção na America Latina
Módulo 1 Raízes, aula1:
18h30h
Mestre Humberto (Brasil, 2005, 20 minutos)
de Rodrigo Savastano (Dido)

- Onde A Coruja Dorme - Brasil, 2004, 15 min
de Simplício Neto e Márcia Derraik

20h
Em estréia e com debate com o diretor
- La Moneda - Chile / Brasil, 2009, 52 minutos
de Pedro Dantas

 
20h
Curso O Cinema de Não Ficção na America Latina
Módulo 1 Raízes, aula2:

 

24, 25, 26, / 08

 20h
Curso O Cinema de Não Ficção na America Latina
Módulo 2 Estética, identidade e Atuação, aula1:
18h30
O Paradoxo da espera do ônibus (Brasil 2007, 4 minutos)
de Christian Caselli

Tambores de Água; um encontro ancestral
Venezuela 2008, 75 minutos
De Clarissa Duque

20h
Em Pré-estréia e debate com o diretor
A Ida da Vinda - Brasil, 2010, 77 minutos
de Cristian Cancino

 


20h
Curso O Cinema de Não Ficção na America Latina
Módulo 2 Estética, identidade e Atuação, aula2:

31 / 08
01, 02 / 09

 

 20h
Curso O Cinema de Não Ficção na America Latina
Módulo 3 Cinema e Política, aula1:
18h30
Carolina (Brasil, 2003, 14 minutos)
de Jeferson De

Bar da Estação (Brasil 2009, 17 minutos)
de Leo Ayres

Los Uruguayos (Uruguai, 2006, 52 minutos)
De Mariana Viñoles


20h
debate com o diretor
KollaSuyo – A Guerra do Gás, Bolívia / Brasil 2006, 52 minutos
De Pedro Dantas

 

 20h
Curso O Cinema de Não Ficção na America Latina
Módulo 3 Cinema e Política, aula2:

07, 08, 09 / 09
Não haverá aula devido ao feriado 18h30
A Re-Volta do Rei João (Brasil, 2006, 18 minutos),
de Guiwi Santos

Lamento Paulista - (DV - 23 minutos, São Paulo - 2008)
de Pedro Dantas

A.M.A. Ceará – (Brasil, 2000, 19 minutos)
de Pedro Martins

Agarrando Pueblo,
(Colômbia 1977, remasterizado para lançamento no Brasil em 2010), 28 minutos
de Carlos Mayo e Luis Ospina

20h
Encerramento, com a presença de Evaldo Mocarzel (em convite)
Jardim Ângela, (Brasil, 2007, 71 minutos)
de Evaldo Mocarzel

 

20h
Curso O Cinema de Não Ficção na America Latina
Módulo 4 Atuação Contemporânea, aula1:

14 / 07 20h
Curso O Cinema de Não Ficção na America Latina
Módulo 4 Atuação Contemporânea, aula1:

Terça-feira, 17 de agosto
20h às 22h

Curso O Cinema de Não Ficção na America Latina
Módulo 1 Raízes, aula1:
por Pedro Dantas
A fundação do documentário latino-americano com proposta estética própria. A
proposta da “proximidade ao humano”. A denúncia social e a dignificação popular. O
manifesto de Santa Fé e o Laboratório Ambulante de Poética Cinemtográfica.
Filmes analisados
- Tire Dié, de Frenando Birri e os alunos da Escola Documental de Santa Fé
(Argentina, 1956 - 1959)
- Aruanda. De Linduarte Noronha (Brasil, 1960)

 

 quarta, 18 de agosto
(Abertura)
18h30h

Mestre Humberto (Brasil, 2005, 20 minutos)
de Rodrigo Savastano (Dido)

 Um passeio pela Lapa, Campo de Santana e pela África através dos amigos e da memória de um aluno mais antigo da vida, cuja graça é Humberto de Souza.

Prêmios: Os 10 Mais - Escolha do Público no Festival Internacional de Curtas de São Paulo 2005
Prêmio aquisição Canal Brasil no Festival Internacional de Curtas de São Paulo 2005

- Onde A Coruja Dorme - Brasil, 2004, 15 min
de Simplício Neto e Márcia Derraik

O filme mostra a relação de Bezerra da Silva com seus compositores anônimos, garimpados por ele "onde a coruja dorme", nos morros cariocas e na baixada fluminense. Daí surgem sambas feitos por trabalhadores, crônicas cáusticas mas bem-humoradas de gente simples que conta seu dia-a-dia nas músicas do samba.

Prêmios: Melhor Curta - Júri Popular no Festival do Rio BR 2001 / Prêmio da Crítica no Festival do Rio BR 2001 / Prêmio de roteiro Riofilme no Concurso de Roteiros RioFilme 1998 / Melhor Curta no Festival de Cinema Brasileiro de Miami 2001 / Melhor Documentário em Curta-metragem no Festival de Cuiabá 2001 / Prêmio Especial do Júri no Festival de Gramado 2001 / Troféu Cine Mambembe no Festival Internacional de Curtas de São Paulo 2001 / Melhor Documentário no Vitória Cine Vídeo 2001 / Melhor Fotografia no Vitória Cine Vídeo 2001


20h
Em estréia e com debate com o diretor
- La Moneda - Chile / Brasil, 2009, 52 minutos
de Pedro Dantas


Documentário investigativo sobre a extração de recursos minerais no Chile. Reflete sobre episódios históricos como a Guerra do Pacífico, no século XIX, e o período da Unidade Popular do então presidente Salvador Allende, quando foram nacionalizadas as principais minas de cobre do país - em resposta veio a ditadura militar liderada por Pinochet. O tema segue nos dias de hoje, quando 2/3 da produção de minérios do país está nas mãos de multinacionais que não pagam impostos. O projeto da mineradora canadense Barrick Gold choca ambientalistas ao propor remover glaciais andinos para extrair ouro da mina de Pascua Lama.

Festivais: Prêmio de Menção Honrosa XXXVI Jornada Internacional de Cinema da Bahia / VI Encuentro Hispanoamericano de Cine y Vídeo, México DF /CineSul 2010. Festival Ibero-americano de Cine e Vídeo, Rio de Janeiro / 14º FAM (Florianópolis Audiovisual do MERCOSUL).

 

 

Quinta-feira, 19 de agosto
20h às 22h

Curso O Cinema de Não Ficção na America Latina
Módulo 1 Raízes, aula2:
por Pedro Dantas
O Cinema Novo no Brasil. As influências do neo-realismo italiano. A busca da
identidade nacional nas telas de cinema..
Filmes analisados
Rio 40 Graus, de Nelson Pereira dos Santos (Brasil, 1957)
Viramundo, de Geraldo Sarno (Brasil, 1963)
O País de São Saruê, de Vladmir Carvalho (Brasil, 1971)

 

 


terça, 24 de agosto de 2010
20h às 22h
Curso O Cinema de Não Ficção na America Latina
Módulo 2 Estética, identidade e Atuação, aula1:
por Pedro Dantas

Proposta estética do Cinema Novo e do Novo Cinema Latino-americano. O
documentário e a sincronização de sentidos. A Caravana Farkas. A influência do
manifesto “A Estética da Fome e da Violência”, de Glauber Rocha. -Filmes analisados
Maranhão 66, de Glauber Rocha (Brasil, 1966)
Cabra Marcado Para Morrer, de Eduardo Coutinho (Brasil, 1964 – 1984)
El Camino hacia La Muerte Del Viejo Reales, de Gerardo Vallejo, (Argentina, 1970)

 

Quarta, 25 de agosto de 2010
18h30

O Paradoxo da espera do ônibus (2007, 4 minutos)
de Christian Caselli

 

Homem espera em vão o ônibus. Em vão? Ora, se o ônibus está demorando, então ele está mais perto de chegar.

 

Tambores de Água; um encontro ancestral
Venezuela 2008, 75 minutos
De Clarissa Duque

 

O documentário mostra a força das raízes africanas nas manifestações musicais venezuelanas. A história dos afrodescendentes venezuelanos desde sua chegada à Venezuela se desenrola quando seu protagonista consegue os tambores de água, uma prática musical muito peculiar e de grande beleza, que permite o encontro de dois continentes (África e América) no soar aquático de seus repiques, mostrando que não importa a distância quando as raízes são fortes o bastante para sobreviver através do tempo.

 

20h
Em Pré-estréia e debate com o diretor
A Ida da Vinda - Brasil, 2010, 77 minutos
de Cristian Cancino


Uma reflexão polifônica sobre a grande obra de transposição das águas do rio São Francisco.

 

 

quinta, 26 de agosto
20h às 22h

Curso O Cinema de Não Ficção na America Latina
Módulo 2 Estética, identidade e Atuação, aula2:
por Pedro Dantas


A revolução cubana, sua influência na arte latino americana e a fundação do ICAIC,
em Cuba. O Cinema Junto ao Povo, do Grupo Ukamau na Bolívia.-
Filmes analisados
- Ukamau. De JorgeSanjinés (Bolívia 1966)
- Hannoi, martes 13 de Santiago Alvarez (Cuba / Vietnam, 1967)
- L.B.J., de Santiago Alvarez (Cuba, 1968)


terça, 31 de agosto
20h às 22h

Curso O Cinema de Não Ficção na America Latina
Módulo 3 Cinema e Política, aula1:
por Pedro Dantas


O documentário de atuação política. A atuação social argentina e o manifesto Cine
Liberación. O Cine Experimental da Universidad de Chile, o que foi a unidade
popular de Salvador Allende e o sangrento Golpe de Estado comandado por
Augusto Pinochet.
Filmes analisados
- La Hora de Los Hornos de Fernando Solanas e Octavio Getino (Argentina,
1970)
- La Batalla de Chile, de Patrício Guzmann (Chile 1973 - 1979)


quarta, 1 de setembro

18h30

Carolina (Brasil, 2003, 14 minutos)
de Jeferson De


Final dos anos 50. Carolina de Jesus escreve seu diário. Dentro de seu barraco ela denuncia a fome, o preconceito e a miséria. Publicada, torna-se um sucesso editorial, sendo editada em 13 línguas. Apesar do reconhecimento imediato e explosivo, a “exótica” mulher negra e ex-favelada falece pobre. Passadas algumas décadas, as palavras de Carolina continuam a ser uma denúncia contra a miséria em que se encontram milhões de pessoas.


Bar da Estação (Brasil 2009, 17 minutos)
de Leo Ayres
Até 1990, o município de Ribeirão Vermelho, Minas Gerais, abrigava um dos maiores complexos ferroviários do estado. Trabalhavam ali cerca de mil funcionários, que atendiam centenas de passageiros todos os dias. Vinte anos depois, não restam mais do que ruínas. Ainda assim, José dos Santos, 70 anos, não desiste de manter funcionando ali dentro o Bar da Estação, que abre as portas assim que amanhece.

 

Los Uruguayos (Uruguai, 2006, 52 minutos)
De Mariana Viñoles

 Ao sul do continente americano, mulher que troca a cidade pelo campo, agricultor, advogado, migrante e guarda florestal contam suas histórias e pensam a identidade uruguaia.

 


20h
debate com o diretor
KollaSuyo – A Guerra do Gás, Bolívia / Brasil 2006, 52 minutos
De Pedro Dantas

 

A identidade e a atuação social da população Kolla, referencia cultural pré-colombiana que permanece viva no altiplano andino.

Prêmio de Melhor Vídeo da XXXIII Jornada Internacional de Cinema da Bahia / Melhor Longa/Media da VI Mostra do Filme Livre-RJ / Menção Honrosa no 10º Festival de Cinema de Curitiba / 12º É Tudo verdade / II Festival Latino Americano de Cinema de São Paulo / CineSul 2007 - RJ


quinta, 02 de setembro
20h às 22h

Curso O Cinema de Não Ficção na America Latina
Módulo 3 Cinema e Politica, aula2:
por Pedro Dantas

 

Documentário e resistência política já nos anos 80. A saga de Miguel Littin
clandestino em seu próprio pais para filmar a ditadura Pinochet. E a atuação política
do documentário no Brasil
Filmes analisados
- Acta General de Chile, de Miguel Littin (Chile / França, 1984)
- ABC da Greve, de León Hirzmann (Brasil, 1979 – 1989)
- Céu Aberto, de João Batista de Andrade (Brasil, 1985)

terça, 7 de setembro
20h às 22h
Não há aula em razão do feriado

quarta, 8 de setembro

18h30
A Re-Volta do Rei João (Brasil, 2006, 18 minutos),
de Guiwi Santos


Uma reflexão satírica sobre a vinda da Corte Real portuguesa ao Rio de Janeiro do Brasil colônia.

Lamento Paulista - (DV - 23 minutos, São Paulo - 2008)
de Pedro Dantas

 

"A cidade reinventada à margem de uma metrópole robótica, que não tem tempo de se olhar no espelho. Um choro rasgando o asfalto. Um grito em silêncio e um batuque pra espantar os caretas." (Gabriel Sanna)-

Prêmio Especial do Júri na Mostra do Filme Livre 2009 - RJ:

 

A.M.A. Ceará – (Brasil, 2000, 19 minutos)
de Pedro Martins

 

Vida e trabalho de Antônio Matos Alves, artesão da cidade de Fortaleza que faz bichos de madeira.

Agarrando Pueblo,
(Colômbia 1977, remasterizado para lançamento no Brasil em 2010), 28 minutos
de Carlos Mayo e Luis Ospina

 

Filme sobre os cineastas que exploram a miséria com fins mercantilistas. É uma crítica mordaz à “pornografia da miséria” e ao oportunismo dos documentaristas desonestos que fazem “documentários sóciopolíticos” no Terceiro Mundo com a finalidade de vendê-los na Europa e ganhar prêmios

TT 92’


20h
Encerramento, com a presença de Evaldo Mocarzel (em convite)
Jardim Ângela, (Brasil, 2007, 71 minutos)
de Evaldo Mocarzel


Jardim Ângela é um bairro da periferia de São Paulo que, durante muitos anos, liderou o ranking das regiões mais violentas da cidade. O documentário tem como foco a visão de mundo de jovens que participam de uma oficina realização de vídeo, na qual querem mostrar o lado construtivo da periferia de São Paulo.


Quinta, 9 de setembro:
20h às 22h

Curso O Cinema de Não Ficção na America Latina
Módulo 4 Atuação Contemporânea, aula1:
por Pedro Dantas e Cristian Cancino

 O coordenador deste curso, o documentarista Pedro Dantas apresenta e debate com os alunos sobre a série documental ¿Onde Está America Latina?, um exemplo bem-sucedido de realização com poucos recursos financeiros, e das possibilidades surgidas com a tecnologia digital. Debate sobre as motivações, a identidade e a preocupação estética do projeto.

Filmes analisados - Onde Está America Latina?, de Pedro Dantas e Cristian Cancino (Brasil / Argetina / Chile, 2005 3 curtas de 25min. - KollaSuyo – A Guerra do Gás, de Pedro Dantas (Brasil / Bolívia, 2006
Terça, 14 de setembro
20h às 22h

Curso O Cinema de Não Ficção na America Latina
Módulo 4 Atuação Contemporânea, aula2:
por Pedro Dantas

O cinema de Não-Ficção contemporâneo e seus vínculos com o Novo Cinema Latino Americano.
Filmes analisados
- Mestre Humberto, de Rodrigo Savastano (Brasil, 2005)
- Memórias do Saque, de Fernando Solanas (Argentina, 2004)
- Un Dia Más, de Leonardo de La Torre (Bolívia, 2009)

Curadoria e Coordenação de projeto:
Pedro Dantas, 34 anos, é formado em jornalismo na PUC-SP (2002) e cursou cinema no IDAC, Instituto de Artes Cinematográficas (1994), na Argentina, e edição e direção de imagens no SENAC (1997). Trabalhou como editor de vídeo em produtoras paulistanas e foi repórter fotográfico na Editora Abril e repórter e produtor na TV PUC.
Dirigiu documentários como Argentina Acorralada (2002), melhor documentário da TV Universitária Brasileira no XI Festival Gamado Cine Vídeo, e a série Onde Está America Latina? (2005). Em 2006, dirigiu o documentário Kollasuyo – A Guerra do Gás, Prêmio de Melhor Vídeo da XXXIII Jornada Internacional de Cinema da Bahia, de Melhor Filme Livre na VI Mostra do Filme Livre - RJ (2007) e foi selecionado para o principal festival de documentários do pais, o É Tudo Verdade.
Em 2008 ganhou o II Edital História dos Bairros, da Prefeitura de São Paulo, e dirigiu o documentário Ermelino É Luz. Sua mais recente produção, o media-metragem La Moneda (2009) recebeu Menção Honrosa no XXXVI Jornada Internacional de Cinema da Bahia, e participa de festivais como o VI Encuentro Hispano-Americano de Cine y Vídeo, no México, CineSul 2010, no Rio de Janeiro, e o 14º FAM (Florianópolis Audiovisual do Mercosul.
O diretor também realiza mostras e conferências, que já foram realizadas na Cinemateca Brasileira e em unidades do SESC em São Paulo e no Rio de Janeiro e publica artigos em revistas como Geografia Conhecimento Prático, da editora Escala Educacional. Cursou como Aluno Especial na Pós-Graduação da ECA-USP a matéria Produção Audiovisual de Não Ficção: Na Transversal da Imagem, onde recebeu nota “A”.

Cristian Cancino
Jornalista e documentarista formado pela PUC-SP. No final dos anos 90, foi repórter e redator dos jornais Folha de S. Paulo e Jornal da Tarde e trabalhou em publicações da Editora Três e Editora Abril, entre outras. É diretor de documentários desde 1999, quando realizou A Soltura do Louco, media-metragem vencedor do Prêmio Rumos Cinema e Vídeo, do Itaú Cultural, na categoria Emergente. Desde então dirigiu e fotografou documentários da série Onde Está América Latina?, exibida em diversos festivais pelo Brasil e exterior. A trajetória da série inclui prêmios no Gramado Cine Vídeo (2003), 9o FAM – Florianópolis Audiovisual Mercosul (2005) e II MOVA Caparaó (2005), entre outros festivais. Dessa série, surgiu a Videoficina, ministrada na rede Sesc. Como diretor de fotografia trabalhou em curtas como São Paulo: Cidade em Fuga, de Vincenzo Scarpellini, e Cidade Limpa, de Vinicius Mainardi, e atua nessa função fotografando vídeos institucionais e publicitários para clientes como Syngenta, Microsoft e Odebrecht, entre outros. Além dos filmes, cria projeções de live image e concebe a cenografia digital de espetáculos multimídia. No teatro, criou videocenários para Os Sertões – O Homem I, de Zé Celso Martinez Correa, Os Collegas, de Johana Albuquerque, e Heiner Muller em Repertório, de Lenerson Polonini, entre outros. Também trabalhou em realizações audiovisuais do grupo Os Satyros.
Atualmente, prepara o documentário A Ida da Vinda, sobre a transposição do Rio São Francisco e suas transposições humanas, gravado em dez estados brasileiros.

Sussuarana Filmes
Cnpj 10.343.595-0001/31
Tel: 55 11 – 3938.4425 / 2157.8352 / 9765.2242
sussuaranafilmes@yahoo.com.br
VIMEO: www.vimeio.com/user4071741
www.ondeestaamericalatina.com
 


Comente aqui...


Você precisa digitar algo na caixa de texto.
Não foi possível enviar seu comentário.
Informe um e-mail válido.
Você precisa informar um nome.
Você precisa digitar algo na caixa de texto.

Jornal do Curta




[confira outras notícias]