Curta SE chegou ao fim com premiações e homenagem ::  | Curta o Curta

Curta SE chegou ao fim com premiações e homenagem

Por Guilherme Whitaker em 19/09/2011 12:19


A entrega de prêmios do 11º Festival Ibero-americano de Cinema de Sergipe (Curta-SE) ocorreu neste sábado, 17, no Cinemark Jardins. Convidados, realizadores e público compareceram e vibraram a entrega da cada categoria graças à dinâmica oferecida pelos mestres de cerimônia Flávio Bauraqui e Andréia Vilela. A lista completa dos premiados está disponível aqui. Já no início da premiação, os mestres de cerimônia ressaltaram a importância do Curta-SE, não somente como fomentadora do audiovisual no estado, mas também como gerador de renda e como ferramenta de educação que promove mini-cursos e oficinas que estimulam uma produção muita mais criativa e profissional. Logo em seguida, a atriz Guta Stresser, que interpreta Bebel na série ‘A Grande Família’, foi homenageada pelo festival por sua trajetória no cinema brasileiro. A atriz agradeceu a oportunidade e elogiou a seleção de filmes do festival. “"Tive a oportunidade de assistir hoje a duas excelentes obras de artes que foram ‘Mulheres Mangabeiras’ e ‘O Jardim das Folhas Sagradas’. Parabéns ao Curta-SE e viva o cinema ibero-americano!"”, exaltou a atriz, que esteve no festival em sua 5ª edição para promover o longa-metragem ‘Nina’, de Heitor Dhalia.

Premiação

Após a homenagem, os premiados foram divulgados pelos mestres de cerimônia e representantes de entidades que apoiaram e patrocinaram o evento. O primeiro premiado da noite foi o vídeo de bolso ‘Saltos Amazônicos’(MG), de Lia Amim e Igor Amim, que tiveram êxito na única categoria ao qual concorriam. Em seguida, foi a vez de ver ‘Traz Outro Amigo Também’(RS), de Frederico Cabral conquistando dois prêmios na categoria, ao lado de ‘Trocam-se Bolinhos Por Histórias de Vida’(RS), ‘Involução’(MG), ‘Os Últimos Charruas’(RS) e Número Zero (GO), que conquistaram um prêmio cada.

Curtas em 35mm

Sem demorar-se muito na entrega dos troféus ‘Ver Ou Não Ver’, a cerimônia continuou para revelar os muitos premiados da 11º edição do festival. Com isso, os vencedores da categoria de Curtas em 35mm foram anunciados, e, como ocorreu com os vídeos ibero-americanos, a premiação foi bem diversificada, garantindo que muitas curtas-metragens fossem agraciados na produção de novos trabalhos cinematográficos. Os curtas ‘A Mula Teimosa e o Controle Remoto’(SP) e ‘Lápis de Cor’(RJ) saíram com dois prêmios cada, enquanto que ‘A Dama de Peixoto’(RJ), ‘Eu Não Quero Voltar Sozinho’(SP), ‘O Céu no Andar de Baixo’(MG), ‘Janela Molhada’ (PE), ‘Procura-se’ (DF) e ‘Naiá e a Lua’ (SP), ‘Solene Simpatia’ (BA/Argentina) e ‘Dulce’ (Espanha) foram premiados com um troféu cada.

Longas-metragens

Se a variedade de vencedores foi uma característica da premiação dos vídeos ibero-americanos e dos curtas em 35mm, o mesmo não ocorreu com os Longas-metragens. O filme ‘Riscado’(RJ) de Gustavo Pizzi levou quatro troféus do festival (Melhor longa-metragem, diretor e atriz pelo júri oficial, além de melhor longa-metragem pelo júri popular), garantindo um favoritismo singular em toda a cerimônia. O produtor Cavi Borges, único representante do filme, já estava sem palavras ao receber o 4º prêmio da noite. “"‘Riscado’ é um trabalho conjunto de amigos e familiares, realizado com pouquíssimos recursos e o reconhecimento do festival garantirá que novos filmes possam ser realizados com mais qualidade técnica e de conteúdo"”, disse.‘ Riscado’ dividiu o prêmio de melhor longa-metragem júri oficial com ‘A Terra da Lua Partida’(RJ), de Marcos Negrão e André Rangel. A menção honrosa da categoria foi para ‘Luz Teimosa’ (Portugal) de Luis Alves de Matos. A menção substituiu a categoria de Melhor Ator, por reconhecer a vivacidade do personagem principal do longa português, o poeta e fotógrafo Fernando Lemos.

Vídeos sergipanos

Caminhado para o ato final da apresentação, a platéia pode finalmente conhecer os vencedores da categoria Vídeos Sergipanos. O curta ‘Peregrino’, de Josival Oliveira Silva, ganhou a menção honrosa e logo em seguida os três primeiros colocados foram anunciados. Os curtas ‘Simbolique’ de Jamson Madureira e ‘Xandrilá’, de André Aragão, levaram os troféus de 3º e 2º lugar respectivamente. ‘Do Outro Lado do Rio’ ficou com o primeiro lugar, júri oficial. O curta foi um trabalho conjunto dos alunos de Núcleo de Produção Digital Orlando Vieira e já foi premiado em outro grande festival de São Paulo. "“Nosso trabalho também foi selecionado para ser exibido em um festival de cinema na França", no mês que vêm”, disse o aluno do Núcleo, Baruch Blumberg. O melhor curta sergipano escolhido pelo público foi ‘Lembranças’. Ao receber o troféu ‘Ver Ou Não Ver’, Marlon Delano,– realizador de ‘Lembranças’, chorou e agradeceu aos amigos e familiares que sempre o apoiaram. O jovem cineasta já faz vídeos por um hobby próprio, sempre com o auxílio de colegas.

Gratificação

Com o término da entrega de prêmios, a produtora executiva do Curta-SE, Deyse Rocha, tomou a palavra. A realizadora agradeceu a todos os envolvidos que contribuíram para que mais uma edição do festival pudesse acontecer, e chamou toda a equipe do festival para se apresentar. Para o ator Flávio Bauraqui, o festival representa um importante vínculo na sua carreira profissional. "“Me sinto cada vez mais dentro de uma equipe. Hoje, meu ‘namoro’ com o Curta-SE já virou um casamento com várias facetas. Estou aqui hoje executando uma delas”", disse o ator bem humorado. Flávio adiantou que está dirigindo seu primeiro longa-metragem agora e espera poder exibi-lo na 12ª edição do festival, no ano que vem.

Realização

O Curta-SE, incentivado pela Lei de Incentivo & agrave Cultura, tem patrocínio da Petrobras, co-patrocínio do Governo de Sergipe, através da Secretaria de Estado da Comunicação Social, apoio cultural do Cinemark, Banco do Nordeste e Fundação Aperipê, apoio do Pontão Avenida Brasil, Ponto de Cultura Figuras em Trânsito, Banese Card, Shopping Jardins, Mega Collor, CiaRio, Estúdios Mega, Cinerama Brasilis, Nova Digital, Porta Curtas, Canal Brasil, Revista Preview, Revista Raça Brasil, Revista Brasileiros, Sesc Sergipe, Unit, UFS, Secretaria de Estado da Cultura, Prefeituras de Estância, Laranjeiras e São Cristóvão, Fórum dos Festivais, Congresso Brasileiro de Cinema, Conselho Nacional de Cineclubes, ABD/SE, Segrase, Infonet, Superlux, Ativa Impressão Digital, Swapi, Sebrae, Fest’A Film, Oceanário, Aruanã Eco Praia Hotel e Faculdade Serigy, com realização da Casa Curta-SE e Ministério da Cultura/Governo Federal.

Por Matheus Fortes

Confira a lista de ganhadores:

Vídeos de Bolso
- Melhor vídeo de bolso (júri popular): Troféu Ver ou Não Ver: Saltos Amazônicos -– Lia Amim Igor Amim, Belo Horizonte (MG).

Vídeos
- Melhor vídeo (júri oficial): Prêmio Nova Digital (três minutos de trilha musical original) e Troféu Ver ou Não Ver: Traz outro amigo também –- Frederico Cabral, Porto Alegre (RS).

- Menção Honrosa (júri oficial): Troféu Ver ou Não Ver: Número Zero

- Melhor ficção (júri oficial): Troféu Ver ou Não Ver: Trocam-se bolinhos por histórias de vida –- Denise Marchir, Porto Alegre (RS).

- Melhor animação (júri oficial): Troféu Ver ou Não Ver: Involução - Marcelo Tannure, Nova Lima (MG).

- Melhor documentário (júri oficial): Troféu Ver ou Não Ver: Os últimos charruas –- Alice Urbim, Porto Alegre (RS).

- Melhor vídeo (júri popular): Troféu Ver ou Não Ver: Traz outro amigo também –- Frederico Cabral, Porto Alegre (RS).

Curtas 35mm
- Melhor curta-metragem em 35mm(júri oficial) - Prêmio Mega Color no valor R$ 5.904,80 em serviços (revelação de 20 latas de Negativos 16 ou 35mm) e Troféu Ver ou Não Ver: A mula teimosa e o controle remoto - Hélio Villela Nunes, São Paulo (SP).

- Melhor curta-metragem documentário em 35mm (júri oficial) - Prêmio Nova Digital (três minutos de trilha musical original); Prêmio Cinerama Brasilis no valor de R$ 10.000 em serviços (locação de câmera digital ou 16mm) e Troféu Ver ou Não Ver: A dama de Peixoto –- Douglas Soares e Alan Ribeiro, Rio de Janeiro (RJ).

- Melhor curta-metragem de ficção em 35mm (júri oficial) - Prêmio CiaRio no valor de R$ 5.000 em serviços (locação de equipamentos de iluminação, acessórios e maquinaria); Prêmio Nova Digital (três minutos de trilha musical original) e Troféu Ver ou Não Ver: Eu não quero voltar sozinho -– Daniel Ribeiro, São Paulo (SP).

- Melhor curta-metragem de animação em 35mm (júri oficial): Prêmio Mega Color no valor R$ 11.000 em serviços (Telecine Off Line correspondente a 10 latas de 35mm ou 16mm e uma diária de Correção de Cor On Line equivalente a 08h); Prêmio Nova Digital (três minutos de trilha musical original) e Troféu Ver ou Não Ver: O céu no andar de baixo -– Leonardo Cata Preta, Belo Horizonte (BH).

- Melhor curta-metragem em 35mm com temática nordestina (júri oficial): Prêmio BNB no valor de R$ 5.000 e Troféu Ver ou Não Ver: Janela Molhada -– Marcos Henrique Lopes, Recife (PE).

- Melhor ator (júri oficial): Troféu Ver ou Não Ver: Osvaldo Rosa (Solene Simpatia) e Viny Azar (A mula teimosa e o controle remoto).

- Melhor atriz (júri oficial): Troféu Ver ou Não Ver: Miriam Martins (Dulce).

- Melhor diretor (júri oficial): Troféu Ver ou Não Ver: Beth Formaggini (Angeli 24H).

- Melhor curta-metragem em 35 mm (júri popular): Troféu Ver ou Não Ver: Lápis de Cor –- Alice Gomes, Rio de Janeiro (RJ).

- Menção honrosa (júri oficial): Troféu Ver ou Não Ver: Lápis de Cor –- Alice Gomes, Rio de Janeiro (RJ); Procura-se –- Iberê Carvalho, Brasília (DF); Naiá e a Lua –- Leandro Tadashi, São Paulo (SP).

Longas-metragens
- Melhor longa-metragem (júri oficial): Prêmio BNB no valor de R$ 10.000; Prêmio Nova DIgital (dez minutos de trilha musical original) e Troféu Ver ou Não Ver: Riscado – Gustavo Pizzi, Rio de Janeiro (RJ). A terra da lua partida – Marcos Negrão e André Rangel, Rio de Janeiro (RJ).

- Melhor atriz (júri oficial): Troféu Ver ou Não Ver: Karine Teles (Riscado).

- Melhor diretor (júri oficial): Troféu Ver ou Não Ver: Gustavo Pizzi (Riscado).

- Melhor longa-metragem (júri popular): Troféu Ver ou Não Ver: Riscado -– Gustavo Pizzi, Rio de Janeiro (RJ).

- Menção honrosa (júri oficial): Troféu Ver ou Não Ver: Luz Teimosa –- Luís Alves de Matos, Lisboa (PT).

Vídeos sergipanos
- Melhor curta-metragem sergipano: 1º lugar (júri oficial): Prêmio CiaRio no valor de R$ 5.000 em serviços (locação de equipamentos de iluminação, acessórios e maquinaria); Prêmio Estúdios Mega no valor de R$ 13.850 em serviços (finalização de Imagem de curta-metragem digital captado em resolução HD à 24 FPS com duração de até 20 minutos; Prêmio Casa Curta-SE (cinco diárias de Kit Filmagem - Câmera HD, microfone, tripé e iluminação) e Troféu Ver ou Não Ver: Do outro lado do rio -– Núcleo de Produção Digital Orlando Vieira, Aracaju (SE).

- Melhor curta-metragem sergipano: 2º lugar (júri oficial): Prêmio Casa Curta-SE (cinco diárias de Kit Filmagem - Câmera HD, microfone, tripé e iluminação) e Troféu Ver ou Não Ver: Xandrilá –- André Aragão, Aracaju (SE).

- Melhor curta-metragem sergipano: 3º lugar (júri oficial): Prêmio Casa Curta-SE (cinco diárias de Kit Filmagem - Câmera HD, microfone, tripé e iluminação) e Troféu Ver ou Não Ver: Simbolique - Jamson Madureira, Nossa Senhora do Socorro (SE).

- Melhor curta-metragem sergipano (júri popular): Prêmio Mega Color no valor R$ 11.000 em serviços (Telecine Off Line correspondente a 10 latas de 35mm ou 16mm e uma diária de Correção de Cor On Line equivalente a 8h); Prêmio Casa Curta-SE (cinco diárias de Kit Filmagem - Câmera HD, microfone, tripé e iluminação) e Troféu Ver ou Não Ver: Lembranças -– Marlon Delano, Aracaju (SE).

- Menção honrosa (júri oficial): Troféu Ver ou Não Ver: Peregrino - –Josivaldo Oliveira Silva, Aracaju (SE).
 

http://www.casacurtase.org.br/fotos
 

 


Comente aqui...


Você precisa digitar algo na caixa de texto.
Não foi possível enviar seu comentário.
Informe um e-mail válido.
Você precisa informar um nome.
Você precisa digitar algo na caixa de texto.

Jornal do Curta


[confira outras notícias]