Curtas-metragistas assumem direção da ANCINE ::  | Curta o Curta

Curtas-metragistas assumem direção da ANCINE

Por Guilherme Whitaker em 11/01/2007 08:16



Manoel Rangel e Leopoldo Nunes
tomam posse na Ancine




Foram empossados nesta quarta, 10, o diretor da Ancine Leopoldo Nunes e o novo diretor-presidente da agência, Manoel Rangel. A cerimônia contou com forte presença dos diferentes setores do cinema do audiovisual, com representantes da produção distribuição e exibição cinematográfica, além de representantes do setor de TV por assinatura. O evento, que acoteceu no prédio da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro, em vários momentos lembrou um encontro de velhos amigos.
Em seu discurso, o ex-presidente da Ancine, Gustavo Dahl, apresentou-se como "formulador e implementador da Agência Nacional do Cinema". Dahl destacou que 2007 coincide com a efetiva consolidação da agência e com a aprovação da lei 11.437/06, que renovou mecanismos e criou novas formas de fomento para o setor. Dahl elogiou a atuação de Manoel Rangel na tramitação da lei, afirmando ainda que Rangel e Nunes "são capazes de ransformar idéias em ações". Por fim, deu "boas vindas aos bravos guerreiros". O ex-presidente da agência não deu esclarecimentos sobre seu futuro, dizendo que é hora de se retirar para reflexão.

Leopoldo Nunes, que se emocionou ao falar do papel de Dahl na criação da agência, afirmou que "passado o medo do novo, temos hoje um diálogo com todos os setores do audiovisual. Sabemos que não somos donos da verdade".

Nova gestão

Manoel Rangel, em seu discurso, não deixou a polêmica de lado. O novo presidente afirmou que o audiovisual é um mercado concentrado e distorcido, no qual há "praticamente apenas uma operadora de TV por assinatura". Em relação ao cinema, lembrou que três distribuidoras concentram 80% da bilheteria e que nenhuma delas é nacional. Em relação ao mercado de DVDs, disse que já supera o de exibição em faturamento, mas não se conhece os números reais do setor, "o que vai mudar", garantiu.
Rangel disse que não há um bolo enorme para dividir e que o esforço deve ser pelo crescimento do mercado, "tornar o mercado atraente para atrair novos empreendedores". "Como ensinou Gustavo Dahl, cultura é mercado", defendeu.
Finalizando, Rangel fez um elogio ao seu antecessor e ao secretário do Audiovisual do Ministério da Cultura: "espero estar à altura de Gustavo Dahl e de Orlando Senna".

Distribuição

Dando uma dica sobre qua deve ser o foco principal das políticas audiovisuais do Ministério da Cultura neste segundo mandato do governo Lula, tanto Orlando Senna quanto o ministro Gilberto Gil, seguindo o exemplo de Rangel em seu discurso, dedicaram parte de suas falas ao setor de distribuição. "Transformem a prioridade da distribuição em uma realidade", disse Senna aos dois empossados. Já Gil afirmou que "as distribuidoras devem ter condições isonômicas", dizendo ainda que "é preciso estimular o risco, ainda que de forma gradual e responsável". Por fim, Gil elogiou Rangel e Nunes afirmando que são "capazes de induzir a aproximação do cinema e da TV".

Fernando Lauterjung, do Rio de Janeiro - TELA VIVA News - www.telaviva.com.br


Comente aqui...


Você precisa digitar algo na caixa de texto.
Não foi possível enviar seu comentário.
Informe um e-mail válido.
Você precisa informar um nome.
Você precisa digitar algo na caixa de texto.

Jornal do Curta

[confira outras notícias]