FILMEATA na Cinelândia - A   Re-Volta do Rei João - Confira ::  | Curta o Curta

FILMEATA na Cinelândia - A Re-Volta do Rei João - Confira

Por Guilherme Whitaker em 11/03/2006 16:30



REAÇÃO NO SÉCULO MIL

Parece piada, de péssimo gosto, mas a prefeitura da cidade do Rio pretende gastar alguns milhões de moedas da população carioca no apoio a Peças de Teatro, exposições, livros, filmes e etc. de apenas um tema no próximo biênio. E o tema não poderia ser mais impróprio: os 200 anos da chegada da família real portuguesa ao Brasil. Então que sr. prefeito César Maia, através de sua macieria, cismou de homenagear  A mesma família, a mesma força e ladainha que mataram eou escravizaram milhões de negros e índios, e que enforcou Tiradentes, exatamente por criticar o reino português. Não parece piada? 


Trupe de Palhacinhos Culturais recebendo o Rei João em 2006 na Praça XV.

Como se hoje, no Rio, não existisse nenhum tema mais relevante do que este, de se homenagear reinos fedorentos e escravocratas... Mas a população que elegeu este governo biruta não perde por esperar... Antes mesmo do edital ser lançado ela já poderá curtir um curta feito na raça por um grupo de pessoas interessadas em não deixar esta babaquice estatal passar em branco... " A re-volta do Rei João"  já esta sendo editado para em breve estar também aqui mesmo, no Curta o Curta, pra deleite de todos. Novas ações estão sendo organizadas contra este ridículo dirigismo cultural de cartas marcadas e que interessa apenas aos que íntimos desta pocilga que se tornou a política cultural em nossa cidade/estado. A população esta cansada de paliativos, ela quer soluções também de longo prazo e mais (ou pelo menos algum...)compromisso ÉTICO de seus governantes com as questões mais importantes de nossa atualidade e não com mentiras do passado. (Guiwhi)

Então que PARTE da comunidade audiovisual local fez uma FILMEATA sobre a péssima gestão cultural na cidade do Rio... Desde a  incrível inércia da RIOFILME, que considera os curtas por ela incentivados nos últimos anos como "cadáveres na prateleira" (e se é  isso mesmo, é muito por conta de sua própria lerdeza em sacar pra que serve mesmo a Riofilme?), também a questão da Receita Federal, que  há 3 anos querendo tirar do SIMPLES as produtoras de cultura, e sem esquecer da ridícula homenagem que a citada prefeitura quer fazer à família real portuguesa, que matou Tiradentes, milhões de índios e negros e que deveria ser execrada e não homenageada!!


Carlota Joaquina, Dom João VI, Frederico Cardoso e alguns palhacinhos culturais. 
Entrevista ao vivo na Rede Record.  Palocci, CINEMA É SIMPLES!!! É SUPER Simples mesmo!
Lulalá, o sistema japonês não é o melhor para a COMUNIDADE e sim para as REDES de TV. Se liga, cara! 


            
Carlota Joaquina e Dom João VI chegando ao Rio em 2006                              Capuano e Othon Castro, fotografando o curta em 16mm


           
          Carlota e César Mala, paixão incondicional


Em 1792, a rainha de Portugal, Maria I, ordenou a execução de, entre tantos outros libertários e democratas, Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes.  Mais de 2 séculos depois a prefeitura da cidade do Rio oferta como tema único para apoio estatal às artes no próximo biênio os "200 anos da chegada da família real ao Brasil" .  

Ora, os livros de História não explicam, mas o Império Português foi um dos maiores assassinos da história de nosso país.... dizimou, ao longo séculos, milhões de índios e negros... por que esta família  mereceria ser homenageada? Pra manter a farsa de uma história que somente conta o lado ´bom` da corte?  Como assim? Será que acham que no Rio existe somente Globelezas?

Até o Dom João VI, o corno imundo, e sua esposa, Carlota Joaquina (que mais tarde ganhou o título de Rainha do Brasil) virão pra passeata contra tais editais e práticas mentirosas que absolutamente NADA teriam a ver com o Brasil eou o Rio ideais (ou teriam?). 


Tiradentes, executado em 1792 pela família 
real que a prefeitura quer homenagear.


9 de março - 18h - concentração na Cinelândia - FILMEATA rumo ao Beco do Rato as 19:30!!
Confira AQUI a programação do Beco do Rato, só com curtas animados!



Dificil acreditar que hoje, depois de tudo que nossa humana espécie tem sido e feito eou não feito nos agoras pós Hiroshima, difícil mesmo acreditar que uma prefeitura, qualquer quela seja, se anime em gastar milhões de moedas em algo que não seja mais importante, hoje, aos cariocas, do que a chegada da familia real portuguesa em 1806... Por que não dizer, de fato, o que foi esta família real? O que ela e a igreja católica fizeram com tantos índios e negros ao longo de séculos pré-Tv eou Chip... desde as cavernas a luta tem sido contra e não a favor da burrice, principalmente quando ela é motivada com grana do povo e deveria ser usada em nome dele e apenas dele. Como nos juramentos que estes políticos profissionais fazem às constituições, mas que acabam a serviço do grande capital e da conservação de valores e práticas inaceitáveis numa sociedade cosmopolita de fato. Verba pública que deveria ajudar na criação e no desenvolvimento de micro politicas e estruturas locais e não servir de cabide de emprego e apoios politicamente interesseiros. O Rio de Janeiro esta jogado às traças, poluído pela burrice... Estamos a viver uma triste guerra civil que raramente as midias mostram e fica tudo por isso mesmo.

Mesmo não participando destes editais, fiquei chocado ao saber que um grupo de produtores culturais vinha se reunindo, através de um FÓRUM, e que se encontrou diversas vezes em 2005 com o Secretário de Cultura, Sr. Ricardo Macieira, que verbalmente garantiu e assinou, em ATA, que havendo tema para um edital no Rio ele seria o Pan-americano do ano que vem, que nem chega a ser um tema ótimo, o ideal seria tema livre mas enfins... Ou seja, temos um mentiroso no meio do caminho, entre outros problemas. É isso que precisa ser dito para que a verdade prevalesça pelo menos por alguns momentos, nesta cidade banhada de podridão política desde os governos de Brizola eou mesmo antes dele (e como é deprimente pensar nos políticos que temos hoje na cidade, no Estado, no País... quem são estas pessoas que deveriam ser as mais éticas do mundo - políticos profissionais e ganham muito bem - a trocarem suas almas por benefícios egoriais nada bonitos ao coletivo? Por que será que no Brasil existem tantos impostos e taxas e quais são os benefícios que temos em troca? A CPMF não era pra ajudar a Saúde do Brasil, que tava falida? E ela segue falida? E o que comentar do lucro dos bancos, na era Lulalá... é mesmo inacreditável mesmo, melhor mudar de assunto...).

Tais movimentos, filmeatas, textos e fotos que serão feitos servirão também pra ajudar a dar mais visibilidade a tais questões, para que as autoridades se manifestem. Vamos às últimas conseqüências para que a lei seja então cumprida não apenas pelo lado mais fraco (que paga tantos impostos), mas principalmente pelo poder estatal (que tão mal uso tem feito destas verbas, a saúde e a segurança de nossa cidade que o digam!!!!). É um tema complexo, pois situa-se no macro-ambiente econômico e também politico, repleto de retóricas seculares, quando nem todas as cartas estão sobre a mesa, mas escondidas em mangas engravatadas. E no Rio ainda temos a Rede Globo pra atrapalhar mais ainda, pois seus interesses são comerciais e não propriamente importantes à coletividade, até pelo contrário (vide o esforço de tal empresa (e de seu ex-funcionário, sr. Hélio Costa) para emplacar o sistema japonês de Tv digital, por que será?)... Lute conosco contra a PORCARIA estatal!!! (Guiwhi)

O Curta o Curta perguntou a alguns produtores culturais sobre estas questões...
O que você acha da politica audiovisual local hoje em voga no Rio? (da política estatal)

QUE POLÍTICA AUDIOVISUAL??? CADÊ??? Não vejo nenhuma!!! CADÊ A RIOFILME??? (Leonardo Branco)

Justamente no biênio do audiovisual, a Riofilme acabou com o edital de fomento a curtas. A Cidade do Cinema não sabemos a quantas anda e o investimento prometido na Cinemateca do MAM nunca mais foi comentado. A Riofilme nunca teve burras de dinheiro, mas tinha, nas figuras de todos os seus ex-presidentes, algo primordial: disposição para o diálogo com a classe cinematográfica. Onde já se viu um presidente de uma empresa como a Riofilme declarar que não agüenta mais "esses cadáveres na prateleira", se referindo aos curtas realizados através do concurso de curtas que durou quase 10 anos e que revelou para o mundo (sem exagero, já que curtas cariocas premiados foram exibidos e ganharam inúmeros prêmios mundo e Brasil a fora) importantes nomes do cinema carioca? Onde já se viu o presidente de uma Riofilme declarar que "não tem saco para ler roteiros" como motivo da suspensão do mesmo edital de curtas? José Wilker pode até ser um ator razoável, assim como é um crítico mediocre. Daí a ser um bom presidente da Riofilme ... Acho que o JK subiu à cabeça. (Frederico Cardoso, Curtametragista e Cineclubista )

Acho que é uma política de fachada, ela não existe de verdade. No momento em que o Prefeito nomeia um ator, que trabalha na de novela das 20h da Globo, faz programas de rádio, trabalha em diversos filmes, para ser o presidente da Riofilme tudo vira uma grande piada. Quando o Brasil será um país sério??? (Silvia Fraiha)

A política do audio visual no rio é de exterminio. A RioFilme, que nunca foi ótima, virou nada. (Roberto Mendes, Sagres Filmes)


O que você achou da decisão da prefeitura de promover um edital para comemorar os 200 anos da chegada da familia real portuguesa ao Brasil? 

Se fosse pura e simplesmente um edital direcionado a esse tema, com verba específica a ser passada de maneira direta para os projetos contemplados - uma verba extra lei do ISS - não veria problema algum, assim como se investe (ou deveria haver investimento) em saúde, educação, saneamento básico, essas coisas. Seria uma verba extra que contemplasse os anseios da prefeitura em comemorar essa data - que é importante historicamente, sem dúvida - e artistas que tivessem interesse pelo tema disputariam a verba através da formatação de projetos. Uma banca especializada escolheria os melhores e ponto final. Dessa forma, a lei de incentivo ficaria desimpedida para que todos os produtores e artistas pudessem apresentar projetos de todo e qualquer conteúdo, como toda lei democrática e igualitária permite. Uma proposta do Fórum de Produtores de Cultura do Rio de Janeiro - quando o tema ainda era o Pan 2007 - era que os projetos com a temática da prefeitura fossem contemplados pelo fundo que já existe atrelado à lei do ISS carioca (30% do total da renúncia anual), liberando os outros 70% para projetos com temas livres. A outra proposta do mesmo Fórum foi a de aprovar os projetos com o tema da prefeitura na categoria especial (até 75% do valor total do orçamento apresentado) e deixar os outros na categoria normal (até 50% do orçamento apresentado). Como fica claro, não faltou tentativa de diálogo por parte da sociedade civil organizada, que, diga-se, estava disposta a ceder em muitos aspectos. A prefeitura cortou o diálogo. (F. Cardoso)

Considero um equívoco a Prefeitura do Rio dar temas ou segmentar a pequena verba destinada a lei 1940. Essa lei, na sua forma original, é um grande avanço quando vem auxiliar a classe de produtores e artístas do Rio. Ela visa fomentar as artes plásticas, a literatura, a pesquisa histórica, o teatro, a dança, a música, o cinema, com liberdade de expressão.  (L. Branco)

Simplesmente ridícula!!! Nunca participei nem pretendo participar destes editais, pois não concordo com eles, que focam mais a produção do que a difusão e que, portanto, não pensam o longo prazo, apenas nos interesses mais imediatos (que não sobrevivem gerações, que não se aprofunda na questão que deve mergulhar mais até para justificar sua existência enquanto coisa útil ao coletivo)... E como cidadão fiquei triste e revoltado... Um absurdo o Rio, hoje, se animar em gastar milhões de nossos impostos exclusivamente pra bancar a produção de filmes, peças de teatro, livros e exposições sobre esta família de fracassados portugueses!!! Se este fosse um país sério tais reis e princesas estariam nos rodapés dos livros de história como párias medíocres e assassinos, que muito mais atrasaram do que ajudaram na formação de uma (ainda em construção) sociedade civil organizada. Não à toa mataram Tiradentes e tantos outros que lutavam contra a força e o racismo do reino português de então,  repito, REINO!!!  A tal da História já É e os recados estão por todos os lados, basta perceber... (Guiwhi, Curta o Curta) 

A decisão da prefeitura é imprópria para uma lei de incentivo. Embora ache que a prefeitura e o MINC devam trabalhar no sentido de comemorar os 200 anos da chegada de D. João VI ao Brasil com outras verbas, inclusive orçamentárias.  (R. Mendes)

Por que você acha que isso aconteceu? 

Sabemos que o prefeito passou o carnaval em Portugal, conforme noticiado no O Globo, para assinar convênio prevendo parceria no que se refere às comemorações dos 200 anos da chegada da família real no Rio. Esse é um dado. Como sabem, a caravela chegou na Bahia em primeiro lugar, que, hoje, é reduto do PFL, mesmo partido do prefeito do Rio. Como sabem também, o prefeito do Rio já externou vontade de ser candidato a presidente da república (ensaiou inclusive se candidatar já em 2006). Quanto mais visibilidade o Rio ganhar, mais em evidência ficará o prefeito. Essa é a única teoria que pode passar pela minha cabeça, já que os artistas - em qualquer parte do mundo e de qualquer época - sempre estão permanentemente preocupados (ligados) com o que está acontecendo à sua volta. Perto da copa do mundo, o futebol certamente estará no escopo dos artistas. Nos 500 anos de descobrimento do Brasil, choveu projeto com esse tema. Não há a menor necessidade de cercear o direito criativo do artista. (F. Cardoso)

Aconteceu inclusive pelos motivos que o Frederico anuncia. O nosso prefeito é mesmo deslumbrado... mas ele é também criador de factóides, e adora pautar a mídia. Por que aconteceu com a lei do ISS ? Porque pelo visto ela não dá a menor pelota para o assunto. Com a renúncia fiscal de R$7.200.000,00 (menos 30% - pois é incrível que do dinheiro captado 30% tem que voltar à prefeitura...) diante de um orçamento da Secretaria das Culturas Macieiras que é de pelo menos 30 vezes mais. Mas ele não dá pelota não é só pra lei, ele não dá pelota para seus secretários, auxiliares, produtores de cultura nem para o povo em geral. (R. Mendes)


Confira fotos da FILMEATA e mais textos aqui mesmo, em breve.
E também em breve o curta 
"A Re-volta do Rei João"
com Godot Quincas, Poliana Paiva e imenso elenco de palhacinhos culturais.


Comente aqui...


Você precisa digitar algo na caixa de texto.
Não foi possível enviar seu comentário.
Informe um e-mail válido.
Você precisa informar um nome.
Você precisa digitar algo na caixa de texto.

Jornal do Curta


[confira outras notícias]