HVR-Z1 em análise ::  | Curta o Curta

HVR-Z1 em análise

Por Guilherme Whitaker em 28/09/2005 17:45



HVR-Z1 em análise


A HVR-Z1, câmera HDV da divisão Broadcast & Professional Systems da Sony, é praticamente igual à HDR-FX1, modelo de consumo da marca japonesa. No entanto, a Sony lista pelo menos 40 características especiais do modelo profissional, comercializado por US$ 6 mil no mercado norte-americano. É claro que não vou entrar em todas elas (que podem ser lidas no site news.sel.sony.com/pressrelease/5331, em inglês). Ao invés disso, baseado em minha experiência com a câmera, prefiro listar um punhado de recursos que trazem boas soluções para problemas de captação. Também detalharei algumas características que não me pareceram particularmente úteis.

A camcorder HVR-Z1 tem em comum com a câmera "consumer" HDR-FX1 a forma e o formato de captação (1080i HDV), mas apresenta alguns recursos profissionais importantes, como o controle da entrada de áudio.

À parte seus conectores de áudio XLR, o recurso que mais distingue a versão profissional da consumidor é a possibilidade de selecionar o modo de gravação entre os modos Região 50 e Região 60. O modo Região 50 é compatível com PAL DV/DVCAM, 1080i50 e CineFrame 25. O modo Região 60 funciona com NTSC DV/DVCAM, 1080i60 e CineFrame 24 e CineFrame 30.

Em adição ao par de XLRs, a Z1 oferece alimentação Phantom de +48V e ajustes via menu que permitem limitar o nível de entrada de +12dB a -18dB. Este recurso permite, por exemplo, que se acople qualquer microfone à Z1. As vantagens são duas. Primeiro, previne uma entrada de áudio sobrecarregada antes do controle de ganho. E permite que o controle manual ou automático de ganho seja feito sempre em um nível otimizado. O limitador de áudio da Z1 pareceu muito efetivo, especialmente quando se grava nas ruas de Nova York.

A Z1 também tem a função peaking, que cria contornos em uma área selecionada da imagem para ajudar no foco manual. A cor do contorno pode ser definida entre branco, amarelo ou vermelho. Mas este recurso não pareceu muito útil. Imagine por exemplo que você queira fazer o foco em dois personagens. Um segura uma faca e o outro não. Quando em foco, a faca afiada aparecerá com um belo contorno vermelho. No entanto, os olhos, narizes, boca e orelhas do outro personagem não terão os contornos vermelhos. Mais ainda: o modo especial de magnificação da imagem não pode ser usado durante a gravação. Assim, tive que confiar no auto-focus (AF) e no One-Push AF (quando em modo manual). Talvez por causa da alta definição, o auto-focus é extremamente acurado.

O conversor A/D de 14-bit faz a digitalização do sinal dos três CCDs, e o sinal digital é então processado por um DXP de 14-bit. Ambos os recursos e mais um sistema de auto ajuste de exposição (AE) pareceram 100% eficientes em evitar "estouros" na imagem. Eu realmente adorei a possibilidade de confiar tanto na Z1 quanto FX1 para gravar sem a ocorrência de horríveis áreas brancas na tela.

A Z1 inclui um modo Black Stretch, que altera o gamma normal de vídeo para prover um detalhe de sombra com meio-tons levemente mais acentuados. Eu acho que você vai querer manter este recurso ligado, por que embora a Z1 e a FX1 são causem superexposição do vídeo, elas por outro lado parecem causar um sub-exposição. Embora o Stretch possa ser usado também com qualquer uma das duas opções de gamma Cinematone, não se pode perceber nenhuma diferença nesse caso.

Os recursos Cinematone são funções de gamma que amenizam o brilho dos meio-tons na imagem. O Cinematone 2  é o mesmo oferecido na FX1, enquanto o Cinematone 1 provê uma curva de gamma que achata os meio-tons um pouco menos que o Cinematone 2. Eu achei que ambos os recursos levaram os detalhes das sombras para o preto, reduzindo desnecessariamente a latitude, que já estava três stops abaixo do que eu realmente precisava. Assim, eu provavelmente não usaria o modo Cinematone no campo.

Exposição controlada

Dos recursos ajustáveis por menu, o AE Speed (velocidade do controle de exposição) é meu favorito absoluto. O AE é regulável para uma área definida da imagem, e seu único problema real é se alguma coisa causar uma flutuação momentânea na luz que incide na lente. Ajustando a resposta para Slow, eu podia mover minha mão em frente à câmera sem perder o ajuste do brilho geral da imagem. É claro que uma mudança de iluminação em uma cena real seria assimilada muito facilmente com esse recurso.

Em linhas gerais, eu obtive a melhor imagem sempre com a exposição nem totalmente aberta e nem totalmente fechada. Você pode adicionar ganho para manter a íris maior que, digamos, f/3.6. Usando o menu Iris Limit, você pode evitar que a abertura fique abaixo de f/4, f/6.8 ou f/11.

Claro, você pode acionar um dos dois filtros ND para evitar a redução da abertura. No entanto, a única forma de saber qual ou quais filtros estão ativos é observar a minúscula legenda "1" ou "2", seguida do símbolo ND. Seria melhor se o display mostrasse diretamente o ajuste (1/6 ou 1/32).

Como a gravação em modo Região 60 em um país da região 50 causa um batimento de 10 Hz por causa da iluminação artificial, a solução é lembrar de usar a velocidade de obturador apropriada, de 1/60 ou 1/100. A Sony oferece, desde a época da Handycam Hi-8, um Flicker Filter, que atenua este efeito.

Se você é como eu, muda o tempo todo entre o visor de LCD e o viewfinder. A Z1 traz a opção de deixar os dois ligados. Você também pode alternar o viewfinder entre P&B e cor.

Desconforto

No geral, tanto a parte óptica quanto a eletrônica da Z1 são de primeira. No entanto, o mesmo não se aplica à ergonomia dos controles. Quando se muda do modo automático para o manual, espera-se que os controles sejam de manuseio simples e rápido. Não é assim. Para ajustar o ganho, por exemplo, é preciso primeiro lembrar-se de apertar o botão Gain. Depois, usar o botão de três posições para ajustar o ganho desejado.

Precisa ajustar a correção de cores rapidamente? Pressione o botão White Balance, mude a chave para A ou B, e então mantenha pressionado o botão WHT BAL - uma operação com três passos. Aliás, se a camcorder estiver em modo Auto ou Hold, serão quatro passos.

A velocidade do obturador foi outro obstáculo. No geral, se quer uma velocidade de obturador compatível com o frame rate que se está usando, mas ao menos que você se lembre de pressionar o botão Shutter Speed, a velocidade ficará oscilando livremente.

Uma função no menu permite escolher formatos preset (pré-programados) de temperatura de cor exterior entre 3500 Kelvin e 5800 K, em degraus de 500 K. Em gravações internas, o White Balance manual é o mais preciso, mas não muito agradável. O preset Interior esquentou bem os tons de pele, mas como efeito colateral as outras cores ficaram menos precisas. Nada disso me surpreendeu, porque sempre achei a colorimetria da Sony mais propensa a um padrão de 9300 K que um de 5600 K. Isso leva a uma imagem mais fria, com o que parece um componente amarelo mais fraco, que impede tons marrons mais intensos.

Experimentei várias configurações dos controles de nível de cor e nitidez (sharpness). Não consegui chegar ao nível de saturação ao qual estou acostumado com algumas câmeras HDCAM. Reduzir a nitidez para abaixo do default 12 pareceu apenas suavizar a imagem. Com a HVR-Z1, eu captei a mesma cena, rica em detalhes (um menu de restaurante), usando DV e HDV. Com o HDV podia-se praticamente ler os itens do menu. Com o DV não foi possível ler nada.

Se seu plano é captar em HDV e usar o downconverter embutido para dar saída em DV, eu recomendo fortemente a Z1. A câmera tem uma área demarcada em aspecto 4:3 no viewfinder e no LCD, e quando exporta para DV a câmera dá a saída na imagem centralizada. Ou seja, se você enquadrou as cenas na área demarcada em 4:3, terá no final um enquadramento perfeito na saída em SD.

Tanto a HDR-FX1 quanto a HVR-Z1 satisfazem a necessidade de quem usa DV e quer ir para o mundo HD. Mas se você precisa de uma série de úteis recursos profissionais, a Z1 é a escolha óbvia para produzir em 1080i.

Mesmo modelo, nomes diferentes
No Brasil e em toda a América Latina a câmera HDV profissional da Sony é comercializada com o nome HVR-Z1N, enquanto nos EUA O modelo chama-se HVR-Z1U. Tecnicamente, são exatamente iguais. A denominação diferente é um recurso da Sony para controlar a distribuição dos produtos entre os diferentes países.


Fonte: www.telaviva.com.br
Postado por: Pedro Lobito  - www.pedrolobito.com

 
 

Comente aqui...


Você precisa digitar algo na caixa de texto.
Não foi possível enviar seu comentário.
Informe um e-mail válido.
Você precisa informar um nome.
Você precisa digitar algo na caixa de texto.

Jornal do Curta

[confira outras notícias]