Intensivo de Direção de Fotografia e Cinematografia Digital- Início em 17-09 ::  | Curta o Curta

Intensivo de Direção de Fotografia e Cinematografia Digital- Início em 17-09

Por Guilherme Whitaker em 13/09/2007 17:30


Ateliê da Imagem

Av. Pasteur 453, Urca, Rio de Janeiro


O Ateliê da Imagem, localizado no bairro da Urca desde 1995, é um espaço cultural que reúne atividades relacionadas a fotografia, vídeo, cinema, artes, mídias digitais, design, web e produção gráfica.   Esse salto quântico se fez possível graças à colaboração das produtoras parceiras que se juntaram a nós nessa aventura. Confira os serviços que você encontra em nossa sede e que fazem do Ateliê um verdadeiro centro de produção!

Direção de Fotografia e Cinematografia Digital
  INTENSIVO - INÍCIO EM 17-09 -  VAGAS LIMITADAS

Orientação de Othon Castro

Início do curso: 17/09 - segunda a sábado - 9:30 as 13:30 horas TOTAL de 6 aulas de 4 horas = 24 horas
Investimento: R$500,00

Objetivos:Especialização em Direção de Fotografia para Cinema e TV.
Pré-requisitos:Conhecimentos básicos ou avançados de fotografia. Noções de Cinematografia.

Ementa:O vídeo entendido como cinematografia digital, as analogias e diferenças em relação ao trabalho com a película. O espectro eletromagnético . Propagação da luz. Natureza das fontes luminosas. Temperatura de Cor. Natureza dos corpos . Prática de Iluminação no Estúdio. O Olho. A Imagem. Estética Composição e Linguagem. O Ponto de vista. Cor. O Preto e Branco. Pintura. Ótica. Fotografia. Cinematografia eletrônica e digital. Fotometria. Sensitometria . Colorimetria. Equipamentos de Cinema e Vídeo. Operação de Câmera. Metodologia de trabalho. Prática de plano-sequência e montagem na câmera. Análise fotográfica. Conceito Fotográfico. As aulas são ilustradas com pinturas, cenas de filmes e fotografias.

Sobre o professor: Othon Castro é formado em direção de fotografia pela EICTV-Cuba, participou de vários longas-metragens nacionais e extrangeiros, é diretor de fotografia de curtas, videoclipes, documentários e programas de tv, entre eles 100% Brasil, Globo Ciência e +D. Othon Castro, professor da Escola de Cinema Darcy Ribeiro, formado em direção de fotografia pela EICTV de San Antonio de Los Baños. Participou de vários longas nacionais e extrangeiros como assistente de câmera e operador de câmera. É diretor de fotografia de curtas, videoclipes, documentários e programas de TV, para os canais Futura, NatGeo e GNT.

Programa do curso

1° DIA:
1. O espectro eletromagnético: O fóton. Origem da luz . As distintas freqüências e suas cores. Resumo histórico do conceito de luz.
2. Propagação da luz: Reflexão, Refração, Absorção, Polarização.
3. Natureza das fontes luminosas: Luz Natural. Luz artificial. Luz dura e suave.
Família de Lâmpadas. Tipos de refletores.
4. Temperatura de Cor: O corpo Negro e a unidade de medida Kelvin.
Uso de filtros, gelatinas e do termocolorímetro.
5. Natureza dos corpos: Opacos, translúcidos, transparentes. Superfícies lisas e rugosas. Reflexão especular e difusa. Gelatinas e filtros ND, LB, CC, POLA, etc.
6. Prática de Iluminação no Estúdio. Direção, natureza e intensidade das fontes luminosas. Posicionamento e funções das luzes: principal, enchimento, contraluz, luz de fundo, etc. Tratamento de imagem no photoshop.

2° DIA:
1. O Olho: Fisiologia da visão. Visão diurna e noturna. Ângulos da visão periférica e distinta. Analogia com a câmera e as lentes. Comparação com a latitude de exposição do filme e do vídeo. Comparação com o ajuste do branco no vídeo e a carta cinza no cinema.
2. A Imagem: Conceito de imagem. A modelação icônica da realidade. Elementos morfológicos da imagem: ponto, linha, plano, cor, forma, textura. Elementos temporais ou dinâmicos: ritmo e tensão. Elementos escalares: tamanho, escala, proporção, formato.
3. Estética Composição e Linguagem:Proporção áurea na natureza e nas artes. A seção áurea no corpo humano.Tipologia dos planos cinematográficos. Os três níveis da linguagem cinematográfica: Descrição, Ação/Reação e Emoção.
4. O Ponto de vista. Enquadrar é ver com um olho só. O ponto de vista é o que define a forma de ver de um filme. É uma atitude intuitiva sem dúvida, de caçador (a), mas pode ser treinada para ser consciente, o que permite a previsão da fotografia e montagem de um filme. Ver de perto e ver de longe – alterações na noção de espaço e tempo.
Ver paralelamente, perpendicularmente e obliquamente. O escorço e a perspectiva.
Ponto de vista e relação com a narrativa, perspectiva, percepção espaço-temporal, fotogenia, movimento de câmera, lentes. A subjetividade e a relatividade do olhar.
Os eixos de câmera e a continuidade visual. A continuidade da distância para o raccord.
Prática de posicionamento, movimento e enquadramento.
O plano-sequência.
5. Operação de camera: Operação de câmera: respiração, estabilidade, a arte de “mascarar”. A osmose com o ator. Posições e movimentos, seus sentidos e significados. Importância do quadro fixo. Quando realmente mover a câmera?
Câmera fixa - Objeto estático. Câmera fixa - Objeto em movimento.
Câmera em movimento - Objeto estático. Câmera e objeto em movimento.

3°DIA:
1. Cor: Tom, saturação e brilho. Cores básicas e complementares.
Mescla aditiva e subtrativa de cores. Combinação, contraste e harmonia de cores.
Cor e Sensação. Cores frias e quentes, analogia com as ondas sonoras.
2. O Preto e Branco: A “força” e a “sutileza” do contraste tonal.
A noção de fotometria e densitometria. Ver em tons de cinza.
3. Pintura: Um panorama sobre a historia da pintura, as características formais e conceituais dos diferentes estilos. Luz e composição na pintura. Os pintores importantes.
4. Ótica: Histórico do desenvolvimento da ótica.
A câmara escura e sua relação com a pintura. Os Objetivos Atuais.
Objetivos fixos e zoom. Aberrações cromáticas e geométricas. Coat.
Distâncias focais e seus respectivos ângulos de captação e sua variação quanto à bitola do formato.
5. Fotografia: Funcionamento da câmera fotográfica. Controles de tempo e diafragma.
A profundidade de campo: sua relação com a bitola do formato, com a magnificação do objeto e com o diafragma. A película. O grão de prata e os corantes.
Tipos de Negativo e suas diferentes sensibilidades.
Histórico da fotografia. Os fotógrafos importantes. A evolução da linguagem fotográfica.

4°DIA
1. Cinematografia: O cinema como arte de projeção. Persistência retiniana.
A cadência do filme mudo e do filme sonoro. A origem dos 24 quadros.
O encanto e plasticidade do filme. Os gêneros cinematográficos e seu tratamento fotográfico. Formatos de quadro no cinema e vídeo. Enquadrar para tela pequena x tela grande. Prata versus Pixel.
2. Cinematografia digital: A imagem em números. A codificação da imagem em sinais de luminância e crominância.
Pixel. O CCD e o CMOS. Formatos de vídeo: MinDv, DVCAM, HDV, DVCPROHD, HDCAM.
A profundidade de campo no vídeo: diferenças entre os formatos e comparação com o 35mm. Os 24p no vídeo. O Mini 35. Modelos de câmeras.
A fita magnética e a atual tecnologia tape less.
Configurações de câmera e dicas de fotografia para transfer to film.
Exemplo de material transferido a 35mm, usando a HVX200 e Mini 35.
3. Equipamentos de Cinema e Vídeo: Câmeras, gruas, travellings, steadicam e demais equipamentos de câmera e maquinaria.

5°DIA
1. Fotometria: Técnica fotométrica e liberdade criativa. O sistema de zonas e a relação de contraste da película e do vídeo. Prática de fotometria refletida e incidente. O cinza médio e a pele caucasiana. A zebra no vídeo. Monitor de Forma de Onda e os níveis de vídeo IRE.
2. Sensitometria: Latitude de contraste e curvas características do cinema e vídeo. O laboratório fotográfico e o computador. O Padrão ECN-2 e as alterações de revelação. Marcação de luz no cinema. Marcação de luz no vídeo.
3. Colorimetria. Controle da temperatura de cor. Uso do termocolorimetro e gelatinas. A correção de cor analógica e digital. Vectorscópio. Prática de Photoshop e Color Correction Avid.

6°DIA:
1. Metodologia de trabalho: O método na filmagem: ensaio com atores, ensaio mecânico com câmera e atores/stand-ins,
definição dos planos final e inicial, definição da trajetória do movimento, ensaio geral e filmagem.
2. Análise fotográfica: Prática de iluminação tentando reproduzir a fotografia de um filme no estúdio.
3. Conceito Fotográfico. “If your pictures aren't good enough, you're not close enough”. -Robert Capa
"The ideal light falls on the object at 45º" -Leonardo da Vinci. Trattato della Pittura.
Do roteiro à imagem. O que o texto “faz ver” e o que a imagem “dá a entender”.
Análise do roteiro literário de um filme, proposição de um conceito fotográfico e posterior visualização do mesmo.

Bibliografia:
ADAMS, Ansel. O Negativo. São Paulo, Senac, 2001.
ALEKAN, Henri. Des lumieres et des ombres. Paris, F. Editions, 1980.
ALMENDROS, Néstor. Días de una cámara. Barcelona, Seix Barral, 1983.
ALTMAN, Rick. Los géneros cinematográficos. Barcelona, Paidós, 1999.
ARIJON, Daniel. Gramática del lenguaje audiovisual . Madrid, Escuela de Cine y Video, 1976.
ARONOVICH, Ricardo. Expor uma história. Rio, Gryphus, 2004.
AUMONT, Jacques. La imagen. Barcelona, Paidós, 1990.
AUMONT, Jacques. El ojo interminable. Cine y pintura . Barcelona, Paidós, 1989.
BARTHES, Roland: A câmara clara . Rio. Nova Fronteira, 1992.
BERGMANS, J. La visión de los colores. Madrid, Paraninfo, 1961.
BRUSATIN , M., Historia de los colores. Barcelona, Piados, 1987.
CARRIÈRRE, Jean-Claude. A linguagem secreta do cinema. Rio, Nova Fronteira.1995.
CHION, Michel.: La audiovisión. Introducción a un análisis conjunto de la imagen y el sonido .Barcelona, Paidós, 1990
DA VINCI, Leonardo.Tratado de la Pintura, Buenos Aires, Losada, l943.
ENRIQUEZ, Hector Rios. Técnica fotográfica en el cine. Caracas, Conac, 1979.
EISENSTEIN, Sergei. Teoría y técnica cinematográficas. Rialp, Madrid, 1959.
GHYKA, Matila C. Estética de las proporciones en la naturaleza y en las artes . Barcelona, Poseidon, 1983.
GOLOVNIA, Anatolij Dmitrievic . La iluminación cinematográfica. Madrid, Rialp, 1960.
GOMBRICH, Ernst H. Historia del arte. Madrid, Alianza Editorial, 1979.
KANIZSA, G. Gramática de la visión. Percepción y procesamiento. Barcelona, Paidós, 1986.
LIPTON, Lenny. Filmar com independência. Ed. Hispano Europea. 1981.
MATHIAS, Harry / PATTERSON, Richard. Cinematografia Electrónica. Andoain, Escuela de Cine y Vídeo. 1985.
MEDEIROS, José. 50 Anos de Fotografia. Rio de Janeiro: Funarte, 1986.
MILLERSON, Gerald. La iluminación en televisión . Madrid, Instituto Oficial de Radiodifusión y Televisión, 1984.
NYKYVIST, Sven. Culto a la luz. Ediciones del Imán, 1998.
PACIOLI, Luca. La Divina Proporción, Buenos Aires, Losada, l946.
PANOFSKY, Erwin. La Perspectiva como Forma Simbólica, Barcelona, Tusquets, l980.
PANOFSKY, Erwin. El Significado en las Artes Visuales, Buenos Aires, Infinito, l970.
PEDROSA, Israel. Da cor a cor inexistente, Rio, L. Christiano Editorial, 1995.
PIERANTONI, Ruggero. El Ojo y la Idea. Fisiología e historia de la visión. Barcelona, Paidós Comunicación, 1984.
PUDOVKIN, V. Lecciones de cinematografía. Madrid, Rialp. 1957
PUDOVKIN, V. La técnica en el cine y el actor en el filme.
SAMUELSON, David W. La cámara de cine y el equipo de iluminación. Elección y Técnica . Madrid, Instituto Oficial de Radiodifusión y Televisión, 1984
SCHAEFER, Dennis / SALVATO, Larry. Maestros de la luz. Madrid, Plot, 1990
SPENCER, D.A. Tratado de Fotografía en color. Barcelona, Editorial Reverté, 1952.
TARKOVSKI, A. Esculpir o tempo. 2ed. São Paulo, Martins Fontes, 2002.
VAN DAMME, Charlie; CLOQUET, Eve. Lumiere actrice. París, FEMIS, 1987.

Mais infos em www.ateliedaimagem.com.br   // 21 25413314 // 25427078


Comente aqui...


Você precisa digitar algo na caixa de texto.
Não foi possível enviar seu comentário.
Informe um e-mail válido.
Você precisa informar um nome.
Você precisa digitar algo na caixa de texto.

EVERALDO 29/05/2013 18:05
GOSTARIA DE SABER MAIS SOBRE O CURSO DE DIRETOR DE FOTOGRAFIA EM MADRI E O PREÇO DO CURSO
Responder

Jornal do Curta




[confira outras notícias]