O ½ é a mensagem ::  | Curta o Curta

O ½ é a mensagem

Por Guilherme Whitaker em 05/11/2004 10:49


 

O ½ é a mensagem
Autor: Francisco Serra


 

Qual o conceito para se estabelecer que determinado meio ou formato é o mais acessível para a veiculação de idéias audiovisuais? quais as circunstâncias que comprovam que o cinema (vídeo) digital é simplesmente a nova onda audiovisual ?

Quem poderia afirmar, sem sombra de dúvida, com todas as fugazes mudanças tecno/mercadológicas, que o formato definitivo para a linguagem audiovisual neste início de século 21 é o cinema(video)digital?

A corrida tecnológica mundial, no que se refere a disputa pelo monopólio dos meios de comunicação, se arma hoje para uma nova batalha a ser travada entre milionários / tecnocratas, voltados para a maior arrecadação possível de lucros neo-mercantilistas.

O cinema, (leia-se comunicação social), deve ser feito de toda e qualquer forma possível. Deve-se criar uma outra política de produção, distinta da ideologia de tecnocratas que insistem num único formato definitivo, sob o falso pretexto de que este formato é “profissional”, “tecnicamente aceitável”, “vendável para TV”, mais “barato”, etc.

Todos os formatos são possíveis, de acordo com cada realidade.

Será que o Cinema Digital é tão viável assim ? Por que abortar todo uma possibilidade de produções experimentais em vídeo8, Hi-8, VHS, S-VHS, Super8, 16mm existente nos diversos cantos do país em troca de uma padronização do formato visual (35mm/DVs) ? Antes fosse por uma questão de democratização da produção cinematográfica, mas quem garante que o formato digital é viável em países pobres da América Latina ou nos confins da Índia ? Será que todas as principais salas de exibição do planeta farão uma corrente mundial digital ? Quanto tempo levará para os formatos DVs/Mini-DVs serem superados por novas ultra-tecnologias importadas dos EUA/JAPÃO?

O discurso cinematográfico será antes visto como conteúdo ( E NÃO COMO FORMA), portanto acredito que toda discussão gerada em torno da produção / formato / vídeo / cinema sob o ponto de vista ideológico uma discussão inútil e demagógica, pois quando se opta por fazer cinema é preciso estudar, planejar, articular uma mensagem (e não um meio), e é preciso comunicar a partir das condições existentes, dos meios existentes, da realidade local. E criar novos meios. Acreditar numa única via audiovisual como democratização do cinema é o mesmo que acreditar em globalização como democratização de toda informação mundial.

É preciso desfazer-nos de uma mentalidade colonizada para buscarmos a linguagem visual necessária, independente dos resultados técnicos e de tendências mercadológicas e estéticas.


Francisco Serra é estudante de cinema - chicoserra@hotmail.com.


Comente aqui...


Você precisa digitar algo na caixa de texto.
Não foi possível enviar seu comentário.
Informe um e-mail válido.
Você precisa informar um nome.
Você precisa digitar algo na caixa de texto.

Jornal do Curta


[confira outras notícias]