S.O.S. Cultura protesta na Cinelândia ::  | Curta o Curta

S.O.S. Cultura protesta na Cinelândia

Por Guilherme Whitaker em 13/05/2005 14:16



Ato “S.O.S. Cultura!”
17 de maio, a partir das 11:30h, na Cinelândia.


A cultura brasileira vive um ano de glórias em Paris enquanto os funcionários da área, Ministério da Cultura e suas vinculadas – Iphan, Funarte, Biblioteca Nacional, Fundação Palmares e o Centro Técnico Audiovisual, estão em greve no Brasil.

Hoje a cultura possui o menor orçamento do poder executivo e seus servidores os menores salários do serviço público. Não temos um plano de carreira, nem perspectivas de concurso público - há 20 anos a área não se renova. 


Venha participar do nosso movimento!

ATO CULTURAL S.O.S. CULTURA !
Terça, dia 17 de maio,
na Cinelândia a partir das 11:30h.
O dia inteiro de atrações:
circo, música, teatro, dança... 


Teatro Municipal com efeito naturalista


As Artes
Quando você ouve uma música, assiste a um espetáculo circense, a um balé, participa de uma festa popular, como o carnaval, ou visita uma exposição de fotos antigas ou de variados tipos de arte, você interage com aquilo que vê, escuta e se emociona com um mundo quase paralelo, materializado num passe de mágica. Na verdade, essa "mágica" é fruto de projetos desenvolvidos e estimulados nas áreas de artes visuais, teatro, dança, ópera, circo, música popular e erudita, documentação em arte e preservação de acervos fotográficos. Um trabalho bastante real ao qual pessoas vêm-se dedicando exatamente para que tais momentos de encantamento simplesmente aconteçam. Mas, na hora, você não vê.

A Literatura 
Situação semelhante ocorre quando você lê um poema, um livro, uma revista ou jornal e se transporta para lugares, tempos e histórias diferentes, sem sequer se dar conta da importância de se facultar acesso e eternizar essa leitura através da sua guarda e preservação. O livro se fecha e você continua a sua vida, sem perceber que bem à sua frente desenrolam-se outras histórias, envolvendo pessoas reais, com seus trabalhos reais, que talvez você nem saiba façam uma grande diferença na sua existência: por sua atuação voltada para a valorização da leitura, a preservação de obras e documentos de valor histórico e artístico. Talvez você até saiba, mas esquece.

A Memória
Na sua cidade existe pelo menos uma praça e monumentos históricos com os quais você convive desde criança. De alguns deles você nem lembra mais, outros foram suprimidos, mas alguns permanecem. E mesmo que você nunca aprecie imutáveis paisagens ou visite centros históricos, não freqüente museus ou valorize obras de arte, edifícios e objetos de valor histórico e etnográfico, ou se dê conta do valor dos sítios arqueológicos ou das práticas e saberes culturais coletivos, é importante que saiba que muitos desses Bens Culturais são tombados e vêm sendo preservados graças ao trabalho de pessoas iguais a você - para que as próximas gerações possam continuar convivendo com estas obras que contam um pouco da história das cidades, do país, da nossa gente. Bens Culturais que são a sua memória! Mas será que você lembra disso?

Os Profissionais
Tal como ocorre nas grandes produções, por detrás de toda esta promoção, valorização e preservação cultural existe, nos bastidores, uma equipe "invisível": gente como você, trabalhando para que este sonho de abrir as portas da Cidadania através da Cultura continue se realizando. Esta equipe, que dispensa a luz dos refletores, é constituída por um grupo relativamente pequeno de servidores públicos: arquitetos, museólogos, historiadores, artistas plásticos, antropólogos, arqueólogos, restauradores, pesquisadores, engenheiros, paisagistas, bibliotecários, jornalistas, educadores, fotógrafos, documentaristas, administradores, assistentes, auxiliares...

Todos teimosos sobreviventes da descontinuidade dos projetos e do descaso de cada novo Governo, inclusive o atual, porque são movidos por um ideal de continuidade: manter vivas a produção cultural e a memória cultural do País. 

O Descaso 
Mas se nada acontecer que restaure a dignidade das Instituições que compõem o Ministério da Cultura, em alguns anos não existirão mais profissionais de produção e preservação cultural no âmbito Federal: estarão todos mortos ou aposentados e não haverá ninguém para transmitir experiência e conhecimentos aos que porventura chegarem... se chegarem. E talvez bem antes disso, tais profissionais se vejam totalmente impedidos de fazer o seu trabalho, tragados pela iniciativa privada ou pelas inúmeras conseqüências físicas e psicológicas resultantes de tudo o que se passa: os salários absurdamente reduzidos pela ausência, durante muitos anos seguidos, de qualquer reposição salarial e, principalmente, pela falta de um plano de carreira. Estes
fatores vêm conduzindo funcionários e suas famílias à beira de um perigoso precipício psicológico e real, sob o peso de dramas e dívidas cumulativas.  Vale ressaltar que fazem parte do quadro de funcionários destas instituições que constituem o Ministério
da Cultura técnicos altamente qualificados e especializados, que amam mais do que o seu trabalho, a sua Causa, aos quais já não é mais permitido o suprimento das mínimas necessidades de subsistência, reciclagem e atualização do conhecimento. Técnicos de nível superior com mais de 25 anos de experiência, com pós-graduação, mestrado e doutorado têm, hoje, vencimentos absolutamente indignos, o salário base é de R$ 565,00, que com as gratificações totalizam R$ 1.500,00 (mil e quinhentos reais).
E se a Democracia assegura a validade das greves como uma forma de clamar por direitos, principalmente aqueles incontestavelmente merecidos, nós, profissionais da Cultura, saímos dos bastidores e nos expomos aos refletores
para lhes dizer: queremos simplesmente poder continuar trabalhando dignamente, acreditando na nossa Causa, em nós mesmos, bem como na relevância das Instituições às quais servimos, sempre dando o melhor de nós: como você. 

Hoje a cultura possui o menor orçamento do Poder Executivo - 0,27% do orçamento da União; e os seus cerca de 2.000 servidores têm os menores salários do serviço público. Esta é a nossa vergonhosa realidade. Queremos a criação urgente de um Plano de Carreira específico para a Cultura, com salários dignos, e a realização de Concurso Público para renovação dos quadros funcionais.
Só assim será restaurada a dignidade das Instituições Culturais do MinC, que poderão desenvolver seus importantes trabalhos em prol do fomento, da valorização e da preservação cultural. Trabalhos que, embora você não veja, não lembre ou, simplesmente, se esqueça, têm tudo a ver com Cidadania e até mesmo com a melhoria da sua qualidade de vida. É exatamente por isso que estamos em greve: por você!

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL - IPHAN
FUNDAÇÃO NACIONAL DE ARTE - FUNARTE
FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL
CENTRO TÉCNICO AUDIOVISUAL
FUNDAÇÃO CULTURAL PALMARES


Comente aqui...


Você precisa digitar algo na caixa de texto.
Não foi possível enviar seu comentário.
Informe um e-mail válido.
Você precisa informar um nome.
Você precisa digitar algo na caixa de texto.

Jornal do Curta


[confira outras notícias]