Sampa assiste a centenas de curtas de  todo o mundo ::  | Curta o Curta

Sampa assiste a centenas de curtas de todo o mundo

Por Guilherme Whitaker em 28/08/2005 12:49



16º Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo

FESTIVAL DE CURTAS DE SP DISCUTE RELACIONAMENTOS EM TEMPO DE NOVAS MÍDIAS


*** evento acontece de 25 de agosto a 3 de setembro
*** Foco: Por Um Fio exibe filmes sobre a revolução nas telecomunicações
*** premiados com o Oscar e nos festival de Cannes, Sundance, Berlim, Clermont-Ferrand e Oberhausen
*** filmes assinados por Peter Greenaway, Thomas Vinterberg e Avi Mograbi
*** cerca 400 produções em 8 salas em SP e itinerâncias no Rio, Recife, Porto Alegre, Campinas e São Carlos
*** 111 títulos representam a recente safra brasileira


Em tempos de novas mídias, quando as relações pessoais se transformam e se tornam cada vez mais imediatas, o 16º Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo - que acontece de 25 de agosto a 3 de setembro em São Paulo e prevê itinerâncias no Rio de Janeiro, Recife, Porto Alegre, Campinas e São Carlos (SP) – preparou uma programação especial intitulada ‘Por Um Fio’ para o Foco deste ano. “Querido Telefone”, realizado em 1997 por Peter Greenaway (de “A Última Tempestade”) é um dos destaques da seção, que tem como objetivos discutir como os meios de comunicação desempenham papel fundamental na mudança do conceito de “distância” e filmes que tematizam o ritmo imediatista que as relações pessoais tomam na contemporaneidade.

Esta é apenas uma parte do cardápio - composto por cerca de 400 títulos - preparado para a décima sexta edição do Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo. Evento reconhecido como um dos cinco mais importantes em seu gênero em todo o mundo, o Festival é patrocinado já há cinco anos pela Petrobras e é parte integrante de sua política cultural de apoio ao cinema como projeto convidado do Programa Petrobras Cultural.

A programação do festival inclui o vencedor da Palma de Ouro de melhor curta no Festival de Cannes 2005, o ucraniano “Caminhantes” (do diretor Igor Strembitsky); “Leite”, do escocês Mackie Burns, que conquistou o Urso de Ouro de melhor curta no Festival de Berlim 2005; “Ryan” (do canadense Chris Landreth), vencedor do Oscar 2005 para curta de animação; “Vitória Para Chino”, co-produção México/Estados Unidos dirigida por Cary Fukunaga que recebeu menção especial do júri no Sundance Festival 2005; “O Medo, Pequeno Caçador”, vencedor da competição nacional do Festival de Clermont-Ferrand (França); e o brasileiro “man.road.river”, do mineiro Marcellvs L., que recebeu o Prêmio Principal do Festival de Oberhausen (Alemanha).

Diretores de renome estão presentes – como Thomas Vinterberg (de “Festa de Família”), que participa com o curta “O Menino que Andava para Trás” do programa especial 10 Anos de Dogma, celebrando o décimo aniversário do influente movimento Dogma (criado na Dinamarca nos anos 1990, por ele e cineastas como Lars Von Trier) e o israelense Avi Mograbi (de “Agosto - Um Momento Antes da Explosão”), que traz “Detalhe”, curta de 2004 premiado nos festivais de Bilbao, Milão e Praga - ao lado de realizações assinadas por jovens moradores das periferias das grandes cidades brasileiras; produções vencedoras do Oscar e premiadas nos festival de Cannes, Sundance, Berlim, Clermont-Ferrand (França) e Oberhausen (Alemanha); os destaques da Semana da Crítica do Festival de Cannes 2004; a mais abrangente vitrine da produção brasileira atual no formato curta e os grandes destaques do circuito internacional recente. 

*** Foco: Por Um Fio ***
Participam do Foco: Por Um Fio 19 curtas, de dez países, que propõem um amplo debate sob o uso da comunicação midiatizada: suas vantagens, contradições, perigos e resultados na rotina de um mundo cada vez menor. Na programação estão a produção norte-americana “Compre Agora”, a história de uma jovem que vende sua virgindade pela internet – curta vencedor do Prêmio Cinefoundation no Festival de Cannes-2005 que tem direção do brasileiro Antonio Campos (filho do jornalista Lucas Mendes); o norueguês “Cosmonauta”, de Stefan Faldbakken, sobre um astronauta russo que perde contato com a Terra durante os dias que marcaram a queda do regime comunista em seu país; “3 Minutos”, direção da gaúcha Ana Luiza Azevedo que esteve na competição oficial do Festival de Cannes-2000; “Bola com Efeito” (de Brendan Hayward, Estados Unidos), no qual três perspectivas – a de uma mãe perturbada, de um garotinho e de uma adolescente grávida – se sobrepõem; e “Três Poemas de Spoon Jackson”, sobre a difícil comunicação do cineasta sueco Michel Wenzer com o poeta-presidiário norte-americano Jackson.

*** Mostra Internacional ***
Como sempre, integra a programação do 16º Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo a tradicional seção Mostra Internacional, que este ano destaca forte presença africana - com filmes vindos da África do Sul, Burkina Fasso, Marrocos, Nigéria, Senegal e Zimbábue – e, pela primeira vez, inclui uma produção do Haiti (“O Evangelho do Porco Crioulo”). A seção tem entre os destaques “Sem Título” (Noruega), dirigido pela cineasta experimental Anja Brejen – que estará presente no Festival - a partir de roteiro de Tonino Guerra (colaborador de cineastas como Francesco Rosi, Federico Fellini, Paolo e Vittorio Taviani); “Tudo à Venda”, do australiano Andrew Kotatto, é estrelado por Hugo Weaving (ator da trilogia “Matrix”, “Matrix Reloaded”, “Matrix Revolutions”, na qual desempenha o papel de Agente Smith – e de “Priscilla, A Rainha do Deserto”); e “A China” (Espanha), cuja co-diretora é Antonia San Juan - a atriz que faz o travesti Agrado no longa-metragem “Tudo Sobre Minha Mãe”, de Pedro Almodóvar.

Presente na seleção oficial da Quinzena dos Realizadores de Cannes este ano e considerado como melhor filme experimental no Festival de Vila do Conde (Portugal) 2005, “Instruções para uma Máquina de Luz e de Som”, do austríaco Peter Tscherkassky, recupera trechos de filmes de faroeste com o ator Eli Wallach, aproximado-os da tragédia grega. Entre os diretores esperados em São Paulo estão o realizador de Taiwan Kuo Tzu-Lung, que acompanha seu curta, identificado pelos símbolos “○●”; a dupla italiana Christian Carmosino e Andrea Appetito, de “Quem é Pilar”; Jared Katsiane, que aborda o universo jovem em “Solace” (EUA); a norueguesa Benedicte Maria Orvung, autora de “Pequena”, um sintético documentário sobre a infância perdida; e Erek Kuehn, de “PãoMozart” (Alemanha).

*** Mostra Latino-Americana *** 
A Mostra Latino-Americana, que recebeu este ano o número recorde de 154 inscrições, apresenta produções de oito países: Argentina, Chile, Colômbia, Cuba, Equador, México, Peru e Uruguai . São 33 as produções exibidas, com destaque para “Viagem a Marte” (Argentina, direção de Juan Pablo Zaramella), premiado em diversos festivais de animação e de filmes infantis; o mexicano “O Outro Sonho Americano” (de Enrique Arroyo), vencedor do prêmio Danzante no Festival de Huesca, na Espanha. Quatro títulos são inéditos no circuito internacional, tendo sua estréia em São Paulo: “+30-29”, de Cristian Corradine (Colômbia), “Outros Carros”, de Javier Horacio Alvarez (Argentina), “Esfera”, de Luis Felipe Hernández Alanis (México/Espanha), e “1000 Pesos Colombianos”, de David Aristizabal Mora (México).

Aristizabal Mora é um dos muitos cineastas latino-americanos com presença confirmada no 16º Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo. Também prestigiam o evento o uruguaio Guillermo Kloetzer, diretor de “RedRat, O Rato Rebelde”, exibido em Clermont-Ferrand 2005; o peruano Gerardo Ruiz Miñán, de “E-mail Para a Mamãe”, exibido em Sundance 2005; os argentinos Marcelo Charras, co-diretor de “Na Escuridão” (selecionado para Festival de Cannes-2005), Simón Franco, de “Tempos Modernos” (melhor curta no Festival de Buenos Aires), e Juan Damian Chechile, de “A Mentira”; os mexicanos Arturo Sampson, de “Godot”, Max Zunino, de “Recordações do Mar”, e José Manuel Cravioto, de “Razor Dream”.

Este ano é criado uma premiação específica para a seção. Trata-se do Prêmio Instituto Cervantes, a ser oferecido a quatro curtas-metragens latino-americanos de fala espanhola para autoração de um DVD a ser exibido no circuito formado pelas unidades daquela instituição em todo o mundo. Cada curta vencedor recebe ainda 250 dólares. 


*** Brasil ***
As seções brasileiras do Festival incluem Panorama Brasil 2004/2005, uma abrangente mostra da mais recente safra nacional, Cinema em Curso, com a produção de universidades e cursos regulares de cinema, e Curta o Formato Brasil, criada em 2004 e dedicada a trabalhos recentes que se destacam pelo resultado obtido na exploração das potencialidades do formato curta-metragem, independentemente de seu suporte final – podendo ser finalizados em película (35mm ou 16mm) ou em vídeo (digital ou analógico). No total, são mais de 100 as produções nacionais recentes exibidas, transformando o Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo na maior vitrine anual dedicada ao filme curto feito no país.

No Panorama Brasil 2004/2005 estão os pernambucanos “Entre Paredes”, de Eric Laurence, que aborda o ciúme e a obsessividade que levam um homem à loucura; “O Mundo é Uma Cabeça”, de Cláudio Barroso e Bidu Queiroz, um documentário sobre o movimento mangue beat, com depoimentos de músicos como Chico Science; e “Eletrodoméstica”, novo filme de “Kleber Mendonça Filho (autor do premiado “Vinil Verde”), que tem sua primeira exibição pública no Festival.

Outros títulos inéditos que a seção apresenta são “Descobrindo Waltel”, de Alessandro Gamo (PR), documentário sobre o músico e compositor de várias trilhas da televisão brasileira; o carioca “Alô Tocayo”, de Renato Martins e Lula Carvalho (filho do fotógrafo Walter Carvalho), rodado em Cuba; “Pobres Diabos no Paraíso” (Fernando Coimbra, SP), que conta com elenco encabeçado por Giulia Gam e Paulo César; “O Quintal dos Guerrilheiros”, produção estrelada por Caio Blat e dirigida por João Massarollo; “Sexo e Claustro”, de Cláudia Priscilla (SP), sobre ex-freira homossexual; e “Curupira”, de Fábio Mendonça e Guilherme Ramalho (SP), sobre a lenda folclórica, tendo sido o personagem Curupira criado em computação gráfica.

Em Curta O Formato destacam-se “man.road.river” (de Marcellvs L., MG); “O Dia Em Que o Bambu Quebrou no Meio” (de Arthur Muhlenberg e Pedro Asbeg, RJ), captado durante o velório de Bezerra da Silva; “Quimera”, de Eryk Rocha (RJ), trabalho experimental feito em parceria com o artista plástico Tunga; “Historietas Assombradas (Para Crianças Mal-Criadas)”, de Victor Hugo Borges (SP); e “Desejo”, de Anne Pinheiro Guimarães (RJ), sobre um porteiro paraibano de Copacabana interpretado por Wagner Moura e ainda com Lázaro Ramos no elenco.

Voltado ao público infantil, o programa especial Mostra Infantil Brasileira apresenta trabalhos de animação - como “Espantalho” (Alê Abreu) e “O Nordestino e o Toque da Lamparina” (Ítalo Maia) – ao lado de ficções, como “Dona Cristina Perdeu a Memória, de Ana Luiza Azevedo.

Todos trabalhos resultantes do projeto Revelando os Brasis - que viabilizou a produção de 40 vídeos digitais de curta metragem em municípios de até 20 mil habitantes de 21 estados – estão programados. A iniciativa do projeto é do Ministério da Cultura, por meio da Secretaria do Audiovisual e do Centro Técnico do Audiovisual (CTAv), em parceria com o Instituto Marlin Azul (ES).

São exibidos também os dez projetos vencedores do Concurso Crie Curta, uma iniciativa da empresa Brasileira Filmes que recebeu 187 roteiros de curtas-metragens com até quatro minutos de duração. Os filmes foram criados por publicitários do Rio de Janeiro, Paraná, Goiás, Mato Grosso do Sul e São Paulo e dirigidos por Bia Flexa, Cacau Rhoden, Estevan dos Santos, Lea Van Steen, Caco de Souza e Renata Rico. As trilhas sonoras foram produzidas por Antonio Pinto, YB, Tentáculo, Play it Again e Sound Design.

Está prevista ainda a exibição especial dos filmes e vídeos produzidos dentro dos programas Curta Petrobras e Petrobras Digital. No primeiro participam “Asphyxia”, de Roberval Duarte (RJ), “A Velha e O Mar”, de Petrus Cariry (CE), “Fuloresta do Samba”, de Marcelo Pinheiro (PE), “Visita Íntima”, de Joana Nin (PR), “Santa Helena em Os Phantasmas da Botija”, de Petrônio Lorena e Tiago Scorza (RJ), “A Hora do Galo”, de Marcos França (RJ), “Véio”, de Adelina Pontual (PE), e “Da Terra”, de Janaína Diniz Guerra (RJ).

No programa especial Petrobras Digital estão “Os Olhos do Pianista”, de Frederico Pinto (RS), “Nada Como o Firmamento”, de Sônia Paiva (DF), “Paisagens Notáveis”, de Marta Penner (DF), “TV Muro”, de Fábio Britto e Simone Lara (MG), “A Cabeça de Sto. Antônio”, de André Parente (RJ), “O Crime da Boca”, de Hilton Lacerda e Janaína Tschape (RJ), e “Quem”, de Luiz Resende (RJ).

Projeto do cineasta Carlos Reichenbach realizado mensalmente em São Paulo, a Sessão Dupla do Comodoro tem uma edição especial realizada em parceria com o 16º Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo. Batizada de Comodoro Curtas, a sessão reúne trabalhos pouco convencionais, ao estilo do bem-sucedido projeto: “O Papa do Pulp: R.F. Luchetti” (Carlos Adriano, SP), “Tim Maia” (Flávio Tambellini, RJ), “À Meia Noite com Glauber” (Ivan Cardoso, RJ), “Ressurreição”(Arthur Omar, RJ), “Baiestorf: Filmes de Sangueira e Mulher Pelada” (Christian Caselli, RJ), “Nocturnu” (Dennison Ramalho, RS) e “Visionários” (Fernando Severo, PR). Segundo Reichenbach, são “momentos luminares de curtas-metragens realizados após os anos 1980 que me impressionaram pela originalidade e invenção e que permaneceram na minhas retinas e memória de maneira avassaladora – a ponto, acredito, de estarem influenciando a concepção de novos projetos”.

*** Formação do Olhar ***
Também pela quarta vez, a programação inclui a mostra Formação do Olhar. Essa seção do evento tem por objetivo reunir os trabalhos das oficinas brasileiras de formação e produção audiovisual como processo de inclusão social, criando um espaço para a troca de experiências e a discussão dos resultados obtidos. Este ano estão previstas projeções de trabalhos de sete estados do país: são 22 vídeos produzidos por 17 oficinas que utilizam o audiovisual como instrumento de inserção, e nove produções independentes de sete núcleos de jovens formados nessas mesmas oficinas. As discussões têm como foco os núcleos de produção e exibição surgidos em comunidades onde foram ministradas oficinas audiovisuais – seus trabalhos, demandas e projetos futuros. Nesses núcleos os alunos convertem-se em agentes audiovisuais, atuando em suas comunidades como multiplicadores: produtores de vídeo, organizadores de mostras e agitadores culturais.

A ampliação e amadurecimento das iniciativas em educação audiovisual e dos núcleos independentes têm resultado em um forte incremento nesta área, com o surgimento de projetos como o Instituto Criar, idealizado por Luciano Huck, que oferece formação técnica na area para jovens carentes, participa da Formação do Olhar deste ano com a exibição de um vídeo e a apresentação da sua produtora.

O próprio evento é responsável por uma dessas iniciativas, as Oficinas Kinoforum de Realização e Produção Audiovisual, um projeto itinerante voltado à realização de oficinas de captação e edição de vídeo em várias comunidades e regiões do Estado de São Paulo. Durante o festival, projeções levam curtas digitais resultantes das Oficinas Kinoforum realizadas em 2005 às diversas comunidades da cidade de São Paulo. Criadas com o objetivo de desvendar novos olhares e concepções de imagem oriundos de grupos sociais cujo acesso aos circuitos de produção e exibição audiovisual é bastante difícil, as oficinas constituem atividade paralela do festival desde 2001, computando 29 edições já realizadas, 109 curtas produzidos e cerca de 500 alunos atendidos. A coordenação das Oficinas é do cineasta Christian Saghaard.

Em uma parceria com a Ação Educativa / Projeto Cinema e Vídeo Brasileiro nas Escolas, o Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo também promove sessões em escolas públicas da Zona Leste paulistana, um importante passo para a descentralização geográfica do circuito alternativo do audiovisual. Nessas escolas as sessões serão compostas por vídeos produzidos pelas oficinas participantes da seção Formação do Olhar e filmes da programação brasileira do festival. A programação do festival nas escolas da Zona Leste de São Paulo é a seguinte:

* 28 de agosto (domingo), às 16h00 - EE Condessa Filomena Matarazzo (Av Paranaguá 472, Ermelino Matarazzo)
* 30 de agosto (terça-feira), às 20h00 - EE Jardim Centenário (Rua Miguel A. Dutra 253, Jd Sta Terezinha, Guaianazes)
* 31 de agosto (quarta-feira), às 20h00 - EE Madre Paulina (Rua Padre Virgílio Campelo 130, Encosta Norte, Itaim Paulista)
* 2 de setembro (sexta-feira), às 16h00 - EE Dom João Maria Ogno (Rua Maria Carlota, 400, Vila Esperança)
* 3 de setembro (sábado), às 16h00 - EMEF Antonio Carlos de A. e Silva (Rua Baltazar Santana 365, S. Miguel Paulista)


*** Crítica Curta ***
Com os objetivos de estimular o processo de reflexão sobre obras de curta metragem, ampliar a formação acadêmica e impulsionar a produção de textos sobre o audiovisual nacional, o 16º Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo promove o Crítica Curta, um projeto do qual participam alunos de oitos universidades com cursos relacionados ao audiovisual e comunicação social. Eles são credenciados pelo festival, freqüentam as sessões desde sua abertura e apresentarão ao final do evento textos de reflexão crítica que integrarão um tablóide – coordenado pelo jornalista Sérgio Rizzo - a ser editado pelo evento. As universidades participantres são as seguintes: Universidade de São Paulo (ECA-USP), Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Faculdades Cásper Líbero, Universidade Anhembi-Morumbi, Universidade Metodista de São Paulo (UMESP), Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP) e Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

*** Siemens Micromovie Award ***
Alunos destas mesmas universidades participam do projeto Siemens Micromovie Award, uma iniciativa do 16º Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo e do Instituto Goethe de São Paulo que propõe o desafio de realizar um curta-metragem com duração de até 90 segundos usando apenas a câmera de vídeo do telefone móvel Siemens SX-1. Para o projeto também foram convocados integrantes de núcleos de produção independente (como Filmagens Periféricas, MUCCA e Arroz e Feijão Cinema e Vídeo) e ainda dez cineastas brasileiros: Arthur Omar (RJ), Ana Luiza Azevedo (RS), Bruno Vianna (RJ), Dennison Ramalho (SP), Francisco Cesar Filho (SP), José Eduardo Belmonte (DF), Kiko Goifman (SP), Moira Toledo (SP), Paulo Sacramento (SP) e Tata Amaral (SP). O programa especial Siemens Micromovie Award exibe uma seleção dos trabalhos brasileiros - que concorrem a um prêmio de mil euros - e os finalistas internacionais do projeto.

*** Kino Cabaret ***
Uma das atividades paralelas do 16º Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo, o Kino Cabaret é um evento especial, dividido em dois momentos. Primeiro são feitos filmes e depois há uma projeção à noite. O público assiste aos trabalhos em um ambiente de bar, com direito a mesas e consumação. O evento é uma oportunidade para que diretores com experiências diferentes trabalhem juntos e o público veja filmes inéditos em um ambiente festivo. Um dos objetivos centrais do Kino Kabaret quando convidado a um festival é promover a colaboração entre realizadores da cidade local e “kinoistas” (integrantes da Associação Kino 00, responsável pela iniciativa). "Faça bem com quase nada, faça o ótimo com muito pouco, e faça agora" é o lema da iniciativa que nasceu em janeiro de 1999, em Montreal. O projeto reúne em São Paulo os canadenses Pascale Marcotte, François Tremblay, Marie-Élaine Chénier, Rozenn Potin e Hugo Matte, os realizadores brasileiros André Kapel Furman, Cecília Araújo, Gustavo Acioli e Gustavo Galvão, além de alunos da FAAP e da ECA-USP.

*** Mix Brasil ***
Parceria tradicional do Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo com o Mix Brasil – Festival da Diversidade Sexual, o programa especial Mix Brasil traz “Um Tapinha Não Dói”, de Guy Maddin, um dos cineastas mais inovadores e corajosos da atualidade e considerado pela crítica como o “David Lynch canadense”. O curta é um ensaio experimental sobre “tudo o que pode dar errado quando Louis Negin e seus Sissy Boys tentam enxertar os Três Patetas no arbusto lilás de Kenneth Anger”. Outros títulos incluídos são o divertido “Bigodão” (Vicki Sugars, Austrália), que ganhou o Prêmio do Público no Festival de Creteil (França) e “Oi, Maya” (Claudia Lorenz, Alemanha), vencedor do Prêmio do Público da Seção Panorama do Festival de Berlim 2005. Têm presença confirmada em São Paulo os seguintes diretores: Aron Kantour, de “Dirty Glitter 1: Damien” (EUA); Didier Bénureau (o conhecido ator francês) traz seu "As Bolas do Meu Gato"; Roberta Munroe (que também é programadora de curtas do Sundance Festival) acompanha as exibições de "Dani e Alice"; e Ansgar Ahlers, da produção alemã "O Casamento dos Meus Sonhos" 

*** Phil Mulloy ***
Realização do excêntrico cineasta inglês Phil Mulloy e apresentada pela primeira vez no país, a trilogia “Intolerância” é composta pelos curtas “Intolerância 1”, “A Invasão” e “A Solução Final” e conquistou o Grande Prêmio do Festival de Tampere (Finlândia), o Silver Dragon no Festival de Cracóvia (Polônia) e o prêmio de melhor filme no Festival de Sttutgart (Alemanha). Mulloy é definido pela crítica internacional como um artista raro, que analisa profundamente os anseios, medos e ansiedades de uma civilização em crise. O cineasta, que vem ao Brasil acompanhar o festival apoiado pelo The British Council, é responsável por sátiras subversivas que examinam as mais sinistras motivações de nossos tempos.

*** 15 Anos da Sam Spiegel Film and Television School ***
Outro programa especial é dedicado aos 15 Anos da Sam Spiegel Film and Television School. Fundada em 1989 e considerada uma das melhores escolas de cinema e televisão do mundo, a instituição contabiliza mais de 180 prêmios internacionais. Para comemorar os quinze anos da escola, cinqüenta profissionais proeminentes do cinema mundial dedicaram seu tempo para avaliar a produção da instituição para montar um DVD com os melhores filmes já feitos pela escola - entre eles, Hector Babenco, Paul Auster, Charlie Kauffman, Vilmos Zsgmond, Paul Newman, Pedro Almodóvar, Anouk Aimée, Jeanne Moreau, Luc Besson, Wim Wenders, Mike Leigh, Peter Weir, Andrzei Wajda, Atom Egoyan, Gus Van Sant, Samira Makhmalbaf, Saul Zaentz e Ed Zwick.


*** Title Design ***
A palestra ilustrada Title Design, proferida pelo curador alemão Dirk Steinkuhler, promete contar a história e explicar a evolução dos créditos de abertura de filmes, partindo do princípio de que, nos últimos tempos, essas aberturas ganharam popularidade como partes independentes em si mesmas e que funcionam como autênticos curtas-metragens. A palestra, que conta com o apoio do Para o Festival, com o apoio do Goethe Institut São Paulo, é ilustrada por 28 créditos de abertura de filmes famosos que consituem-se em autênticos curtas-metragens - como “Psicose”, “Casino”, “Bom Dia Tristeza”, “A Pantera Cor de Rosa”, “Charada”, “Com 007 Só Se Vive Duas Vezes” e “Corra Lola Corra”, entre outros.

*** Semana da Crítica ***
Pelo quarto ano consecutivo, o Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo apresenta uma seleção da Semana da Crítica do Festival de Cannes, uma das mais prestigiosas seções do evento francês. São sete curtas, incluindo o espanhol “Jona / Tomberry” (dirigido por Rosto), o vencedor da Semana da Crítica 2005, relato de um surrealístico encontro do escritor Jorge Luis Borges com cineasta da F. W. Murnau. Outros títulos incluídos são: “Imago” (Cédric Babouche, França), “Espelhos Mecânicos” (Siegfried A. Fruhauf , Áustria), “Mil Sóis” (Mathieu Vadepied , França) e “Respiro” (Wi Ding Ho , Taiwan).

*** Jameson Short Film Award***
O Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo apresenta mais uma vez a exibição dos ganhadores do Jameson Short Film Award, resultante de uma parceria entre a Coordenação Européia de Festivais de Cinema e a Jameson Irish Whiskey com o objetivo de apoiar cineastas e cinema internacionais. O Jameson Short Films Award é oferecido por júris nacionais na Europa e no resto do mundo aos diretores cujos curtas-metragens tenham “potencial de alcançar uma audiência internacional e representar o melhor da recente criação do cinema contemporâneo”. No Festival de São Paulo são exibidas seis produções já premiadas (representando Hungria, Espanha, África do Sul, Suécia, Noruega e Bélgica) e é concedido prêmio de seis mil euros um filme das mostras Panorama Brasil e Curta o Formato.

*** 10 Anos de Dogma***
Há dez anos, projetava-se nas telas da Dinamarca um estilo subversivo de fazer cinema. Assemelhava-se a movimentos anteriores como o Cinema Novo brasileiro, da estética “uma câmera na mão e uma idéia na cabeça”, ao Realismo Italiano ou mesmo ao despojamento da Nouvelle Vague, apresentando, porém, como diferencial a intenção clara de não se proclamar algo novo, mas sim ser um ato claro de resgate – de fato, não deixava de ser um movimento. Além disso, tratava-se de um verdadeiro manifesto com regras rígidas para o realizador que se aventurasse a segui-lo. Regras que, fatalmente, também haveriam de ser subvertidas mais dia menos dia. Porque para quebrar regras seria preciso primeiro inventá-las. Foi a partir dessas premissas que os cineastas Lars Von Trier e Thomas Vinterberg criaram um documento com dez regras pragmáticas, o “Voto de Castidade” ao qual deveriam ser fiéis, e iniciaram uma verdadeira celebração cinematográfica. O objetivo era contradizer as tendências contemporâneas de “cosmetização” à exaustão, abdicando de maiores aparatos técnicos e apoiando-se na espontaneidade e no imediatismo, para provar ser possível, ainda assim e ainda hoje, fazer um bom cinema”.

O Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo celebra o 10º aniversário do Dogma 95, que desde então se espalhou pelo mundo, influenciado artistas das mais diversas escolas e culturas, por meio dee uma mostra de três curtas feitos por alguns dos principais idealizadores do movimento. Vinterberg está presente com “O Menino que Andava Para Trás”, curta de 1993 premiado em Clermont-Ferrand e em Toronto que mostra o pesar de um garoto de nove anos diante da súbita morte de seu irmão mais velho e melhor amigo. No elogiado “Final de Semana Perdido” (Dagur Kari Petursson, 1999) um jovem DJ se vê numa cilada num quarto de hotel de quinta categoria depois de passar a noite numa boate. Premiado com a Camera d’Or em Cannes, “Ansiedade” (Christoffer Boe, 2001) é definido ´por seu realizador como “uma uma meditação caleidoscópica sobre o amor”.

*** Dark Side ***
Produções escolhidas entre as inscrições internacionais do festival que possuem temáticas que abordam as várias manifestações de terror e também a idéia de medo e susto diante do mundo contemporâneo estão no programa Dark Side. Entre eles estão a produção francesa “Organik”, de David Horlet, no qual um homem acerta as contas com o passado em um conflito com os demônios de sua mente, e “Os Dez Degraus” (Irlanda, direção de Brendan Muldowney), que mostra uma menina com síndrome do pânico às voltas com um conserto doméstico.

*** Passaram Por Aqui ***
Três filmes internacionais inscritos para a edição deste ano do Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo foram realizados por cineastas de diferentes partes do mundo que estiveram no Brasil nos últimos anos e revelam nos trabalhos influência direta desta passagem por nosso país. “Uptown/Downtown”, do jovem cineasta cino-americano Brian Hung; “Garota de Ipanema no Karaokê”, de Michael Brynntrup (Alemanha); e o documentário “Hotel Saudade”, de Cameron Bailey (também crítico e curador do Festival de Toronto, Canadá).

*** Encontro Nacional da ABD ***
De 26 a 28 de agosto, o festival sedia o Encontro Nacional da Associação Brasileira de Documentaristas (ABD), que reúne nacionalmente os realizadores de curta-metragem e de documentários.

*** Workshops ***
O 16º Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo promove, de 29 de agosto a 2 de setembro, uma série de workshops, que abordam a distribuição digital para cinema (em parceria com a Rain Digital, uma das empresas pioneiras deste tipo de exibição), inovações para processos de ampliação ótica (em parceria com o laboratório Megacolor), intermediação digital (com os Estúdios Mega) e produção de filmes de baixo orçamento com som Dolby (ministrado pela própria Dolby). As inscrições - gratuitas e abertas ao público - podem feitas no período de 26 a 28 de agosto, das 11h00 às 20h00, no setor de credenciamento do festival, localizado no MIS (Av Europa 158, Jardim Europa).

*** Cachaça Cinema Clube ***
Tradicional festa cinematográfica mensal carioca, o projeto Cachaça Cinema Clube realiza uma sessão dentro da programação oficial do Festival. Na ocasião, o público de São Paulo vai ter a oportunidade de conhecer o evento que tanto tem mudado a cara da exibição de curtas-metragens no Rio de Janeiro, com doses de bons filmes, boa pinga e boa música! Os títulos escalados são “Tabu” (1949), de Eurico Richers, “Operação Morengueira” (2005), de Chico Serra e Godot Quincas, e “Superoutro” (1989), de Edgar Navarro Filho.

*** Premiações ***
O Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo tem caráter cultural e não-competitivo e visa exibir filmes que contribuam para o desenvolvimento do curta-metragem quanto à sua linguagem, formato específico e forma de produção. Mesmo sem possuir um caráter competitivo, o evento prevê a participação do público na avaliação da produção, elegendo seus filmes favoritos. Graças a diversas parcerias, também são oferecidos prêmios – todos voltadas à difusão do formato curta-metragem -, cujo anúncio acontece na cerimônia de encerramento, programada para o dia 3 de setembro (sábado), às 21h00, no MIS.

O Prêmio Revelação - voltado para a renovação de talentos provenientes de escolas e cursos de cinema no país – é resultado da parceria entre uma série de empresas atuantes no setor audiovisual e se constitui em reconhecimento a um jovem autor e, ao mesmo tempo, uma contribuição significativa na viabilização de seu próximo projeto. Nele, a resposta à pergunta “Por que você fez esse curta?”, enviada a todos os realizadores concorrentes, é levada em conta na avaliação e o vencedor recebe latas de negativo Kodak; diárias de câmera Aaton / Hagadê; horas de edição de som na Effects; mixagem na JLS; equipamentos de luz e maquinaria da Quanta; revelação de negativo, copião e cópia da MegaColor; uso de telecinagem dos EstudiosMega; e licença para uso de sistema sonoro Dolby. O projeto resultante da premiação tem lugar de destaque na programação do festival no próximo ano.

Além dos já citados Prêmio Revelação, Prêmio Micro Movies Siemens, Prêmio Jameson Short Film Award 2005 e do Prêmio Instituto Cervantes, as premiações em 2005 do Festival de Curtas de São Paulo são as seguintes: Prêmio de Aquisição Canal Brasil de Incentivo ao Curta-Metragem (dois prêmios de R$ 5 mil); Prêmio TV Cultura de Curta-Metragem (R$ 5 mil); Prêmio Aquisição STV (da Rede SescSenac de Televisão, no valor de R$ 5 mil); Prêmio de Porta Curtas Petrobras (três contemplados com R$ 1 mil através de votação online); prêmio Curtas no Espaço Unibanco de Cinema (quatro prêmios de R$ 1.000,00 cada); Prêmio ABD-SP; Prêmio Mix Brasil e Prêmio Cachaça Cinema Clube. 

*** Locais ***
As projeções ocupam as telas de oito das principais salas paulistanas dedicadas ao circuito alternativo de exibição: Museu da Imagem e do Som (Auditório e Sala Multimídia), CineSesc, Centro Cultural São Paulo (Sala Lima Barreto), Espaço Unibanco de Cinema (Sala 4), Sala Cinemateca, Cinusp Paulo Emílio e Fundação Armando Álvares Penteado (Auditório 1). O festival promove também extensões em outras cinco cidades. No Rio de Janeiro (no dia 2/09, no Cine Odeon BR), no Recife (6/09, no Cinema do Parque) e nas cidades paulistas de Campinas (28/08, no Espaço Cultural CPFL) e São Carlos (1º/09, no CINUFSCar – Teatro Florestan Fernandes) acontecem maratonas cinematográficas reunindo destaques do evento. Já em Porto Alegre, parte da programação está organizada em dez sessões previstas no período de 8 a 11 de setembro na Sala P. F. Gastal / Usina do Gasômetro. 

Dirigido pela produtora Zita Carvalhosa, o Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo é organizado pela Associação Cultural Kinoforum. Patrocinado pela Petrobras, o evento conta com co-promoção do Sesc São Paulo, Secretaria de Estado da Cultura e da Secretaria Municipal de Cultura. O festival conta com o apoio e promoção das emissoras TV Cultura, Canal Brasil e STV – Rede SescSenac de Televisão. Apóiam a iniciativa os EstudiosMega, MegaColor, Quanta, FedEx, Dolby, Kodak, Rain Network e Grupo Novo de Cinema. A Kinoforum é a entidade responsável também pelo Guia Brasileiro – Festivais de Cinema e Vídeo, cuja edição 2005 relaciona dados de 96 manifestações audiovisuais previstos para este ano no país

A programação detalhada, dados sobre os filmes e outras informações podem ser obtidas no website do Festival: www.kinoforum.org.

Serviço
Petrobras apresenta
16º Festival Internacional de Curtas -Metragens de São Paulo
de 25 de agosto a 3 de setembro de 2005
patrocínio: Petrobras - organização: Associação Cultural Kinoforum - direção: Zita Carvalhosa

locais:
Museu da Imagem e do Som (Auditório e Sala Multimídia), CineSesc, Centro Cultural São Paulo (Sala Lima Barreto), Espaço Unibanco de Cinema (Anexo 4), Sala Cinemateca, Cinusp Paulo Emílio, Fundação Armando Álvares Penteado (Auditório 1)

escolas públicas da Zona Leste de São Paulo:
EE Condessa Filomena Matarazzo (Av Paranaguá 472, Ermelino Matarazzo)
EE Jardim Centenário (Rua Miguel A. Dutra 253, Jd Sta Terezinha, Guaianazes)
EE Madre Paulina (Rua Padre Virgílio Campelo 130, Encosta Norte, Itaim Paulista)
EE Dom João Maria Ogno (Rua Maria Carlota, 400, Vila Esperança)
EMEF Antonio Carlos de A. e Silva (Rua Baltazar Santana 365, S. Miguel Paulista)

itinerâncias:
Campinas
28 de agosto (domingo) no Espaço Cultural CPFL

São Carlos
1º de setembro (quinta-feira) no CINUFSCar – Teatro Florestan Fernandes

Rio de Janeiro
2 de setembro (sexta-feira) no Cine Odeon BR

Recife
6 de setembro (terça-feira) no Cinema do Parque

Porto Alegre
8 a 11 de setembro (quinta-feira a domingo) na Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro

Confira tudo no site do festival em  www.kinoforum.org.br/curtas/2005/index.html


Comente aqui...


Você precisa digitar algo na caixa de texto.
Não foi possível enviar seu comentário.
Informe um e-mail válido.
Você precisa informar um nome.
Você precisa digitar algo na caixa de texto.

Jornal do Curta


[confira outras notícias]