VISÕES PERIFÉRICAS 2012 homenageia o cineasta Eduardo Coutinho ::  | Curta o Curta

VISÕES PERIFÉRICAS 2012 homenageia o cineasta Eduardo Coutinho

Por Guilherme Whitaker em 10/08/2012 09:16


A 6ª edição do Festival Visões Periféricas já tem data marcada. De 16 a 25 de agosto, três salas de cinema, espaços comunitários em favelas cariocas e até uma praça pública vão exibir uma seleção de 104 filmes, distribuídos em quatro mostras, das quais três são competitivas. Este ano, foram inscritos mais de 600 filmes o que demonstra a importância que o festival assume no cenário audiovisual brasileiro.

 

O Festival não é apenas dedicado a exibição de filmes, mas é um espaço de intercâmbio de linguagens e de produções do audiovisual que vêm das periferias (como favelas, comunidades quilombolas e indígenas). É também um espaço de experimentação de novas tecnologias e de mídias a serviço da democratização dos meios de produção e difusão, além de uma forma democrática de divulgar as produções surgidas no contexto da cultura digital.

 

“Nossa intenção é divulgar os filmes produzidos em projetos, oficinas e escolas populares que utilizam o audiovisual como meio de expressão. Também tentamos provocar uma reflexão sobre essas obras e promover o intercâmbio entre as diferentes instituições e grupos realizadores existentes no Brasil e em países ibero-americanos”, diz Marcio Blanco, coordenador geral e idealizador do Festival Visões Periféricas.

 

O homenageado: a cerimônia de abertura será marcada pela homenagem ao cineasta Eduardo Coutinho que, aos 79 anos e com dezenas de prêmios, entre os quais o do Festival de Berlim, é considerado um dos mais importantes documentaristas do país. Seu trabalho é marcado pelo registro de emoções das pessoas comuns, sejam camponeses (Cabra Marcado para Morrer) ou moradores de um condomínio de baixa classe média carioca (Edifício Master). Coutinho trabalhou para o Centro de Criação da Imagem Popular – Cecip, que também será homenageado por 25 anos de atuação. São dessa época Santa Marta e Boca de Lixo, visões humanistas sobre populações marginalizadas.

 

Tecnologias e linguagens da periferia: o Festival também aposta em mostras com foco em inovações tecnológicas, como a Tudojuntoemisturado, que mistura produções feitas com dispositivos móveis, com celulares e câmeras fotográficas. Os novos aplicativos móveis impulsionam ainda mais a produção de filmes e hoje muitos festivais audiovisuais já reconhecem a importância dessa categoria. A tecnologia permite a produção e difusão audiovisual a custos cada vez mais acessíveis e filmes circulam a velocidade dos bytes pelas redes sociais. Não é à toa que hoje o Festival Visões Periféricas tem exibições em salas de cinema e na internet.

 

Ibero-americana: a mostra vai reunir uma seleção de filmes que revela retratos peculiares desses países, ao mesmo tempo compostos de aspectos sociais tão comuns e diversos. Na plateia e nas mesas de debate, realizadores, diretores e atores ibero-americanos.

 

Oficina Madureira Vale um Filme: entre os dias 20 e 24 de agosto, será realizada a oficina de produção audiovisual “Madureira Vale um Filme”. Durante uma semana, 30 jovens vão participar das aulas, com direito a equipamento profissional para gravação e edição dos vídeos, além de acompanhamento de um orientador. O objetivo é introduzi-los na estética audiovisual através da produção de vídeos, que devem ter como principal tema o bairro de Madureira, seus moradores e a cultura local. Os filmes serão analisados por um júri formado por especialistas da área audiovisual e os cinco melhores receberão prêmios, no valor total de R$ 7 mil. No final da oficina os vídeos serão exibidos em uma sessão especial durante o Festival.

 

www.visoesperifericas.org.br/2012

 

Serviço do Festival Visões Periféricas 2012 – 6ª Edição

Data: de 16 a 25 de agosto

Locais de exibição:

- Oi Futuro em Ipanema (Rua Visconde de Pirajá, 54 - metrô Gal. Osório)

- Centro Cultural Justiça Federal (Av. Rio Branco 241 - metrô Cinelândia)

- Instituto Cervantes (Rua Visconde de Ouro Preto, 62. Botafogo. Tel. 3554-5915)

- Comunidades: Babilônia, Cantagalo, Santa Marta, Mangueira e Vila Parque da Cidade

Entrada franca em todos os locais de exibição

 

 

Programação

Dia 17/08, sexta-feira

 

18h – Exibição de três curtas: Providência, de Leonardo Silva de Lima – 9min, Brasil 2011. Batalha do passinho, os muleque são sinistro, de Emílio Domingos – 20min, Brasil 2012. A Cidade é uma só, de Adirley Queirós – 73min, Brasil 2011. Praça General Osório. Sessão pública ao ar livre. Censura: Livre.

 

Dia 18/08, sábado

 

15h. Fronteiras Imaginárias 1 – exibição de cinco curtas inéditos: Zé da Onça, Rogério Galalau e Felipe Varanda – 6min, Brasil 2011. As aventuras de Seu Euclides: Lambesujo e Caboclinhos, de Marcelo Roque Belarmino – 15min, Brasil 2012. Loas aos reis do Congo, de Kiko Alves – 15min, Brasil 2012. Gil, de Daniel Nolasco e Marcella Coppo – 10 min, Brasil 2012. Vereda, de Diego Florentino – 20min, Brasil 2012. Oi Futuro Ipanema - Visconde de Pirajá , 54. Censura: 10 anos.

 

Mesa-redonda 1 – 18.08 - 17h – Oi Futuro Ipanema

 

Imagem popular, ontem e hoje

A mesa conta com a presença de representantes de diferentes gerações de realizadores e militantes do audiovisual para discutir a imagem popular através de mais de duas décadas de história.

Participantes:

Claudius Ceccon: Arquiteto, Educador, Desenhista de Humor, com charges publicadas nos principais jornais brasileiros e em Manchete, Pif-Paf, e O Pasquim, do qual foi um dos fundadores. Colabora atualmente com Ilustríssima (FSP), Le Monde Diplomatique Brasil e Caros Amigos. Há 25 anos, com profissionais de diversas áreas, fundou o CECIP, Centro de Criação de Imagem Popular, onde vem trabalhando na elaboração de publicações e audiovisuais que promovem uma tomada de consciência sobre direitos e qualificam ações de transformação da realidade brasileira.

Eduardo Coutinho: hoje um dos diretores vivos mais celebrados do cinema brasileiro, referência quando se fala de gênero documental. Atuou no programa Globo Repórter (décadas de 70 e 80), quando de fato descobriu sua vocação de documentarista e realizou trabalhos inovadores como Teodorico, o Imperador do Sertão, sobre o líder político nordestino Theodorico Bezerra; Dirigiu documentários em vídeo para o CECIP (Centro de Criação da Imagem Popular, onde atualmente é presidente), com temas ligados a cidadania e educação. São dessa época projetos como o filme Santa Marta. Atuou ainda como roteirista de séries documentais da TV Manchete (anos 90) e na produção de diversos documentários de sucesso, durante os anos 90 e 2000, como o Santo Forte, Babilônia 2000 e Edifício Master, ganhador de vários prêmios em festivais de cinema.

 

Luciana Bezerra: faz parte do grupo Nós do Morro desde 1992. Foi assistente de direção em filmes como "O jeito brasileiro de ser português", de Gustavo Melo, e "O cunhado do cara", de Kátia Lund. Foi produtora de elenco do filme Cidade de Deus, de Fernando Meirelles. Em 2002, recebeu o prêmio de roteiro RioFilme com "Mina de Fé". Atualmente, além de fazer parte do Centro de Cinema Nós do Morro onde dá aulas de roteiro, está lançando o curta-metragem infanto -juvenil "Os Donos da Mata", premiado pelo Edital SAV-MINC Curta Criança. Luciana é um dos trinta artistas cariocas que participaram do Rio Occupation London, um retrato da nova geração criativa do Rio de Janeiro, produzido pela secretaria de cultura do estado.

 

Vanderson Feitosa: carioca de 28 anos formado na Academia Internacional de Cinema que fica em São Paulo, onde vive há seis anos. É diretor e produtor de curta - metragem e documentarista. De seus trabalhos, os que merecem mais destaque são os curtas: O Orgulho da Maré (2006), Feira da Teixeira, Babilônia 2007 (2007), Sarau, Negócios à parte (2008), Na febre do rato e Vestígios de sangue (2009).

 

Marcio Blanco (mediador): Mestrando em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), na linha de Tecnologia e Cultura. Cineasta formado pela Universidade Federal Fluminense. Dirigiu curtas, documentários, institucionais e programas de televisão. É educador em audiovisual tendo coordenado diversos projetos na área. Em 2008 fundou a associação cultural Imaginário Digital. É o idealizador e coordenador geral do Festival Visões Periféricas.

 

 

18:30h. Periferia Animada 2 – exibição de cinco curtas inéditos: Missão estelar, de Rafaela Teles Rodrigues – 11min, Brasil 2011. A primeira máquina do tempo do mundo, de Josy Antunes – 5min, Brasil 2011. El gusano, de Direção Coletiva Taller de Cine El Matte, de Vicente Lopez – 2min, Argentina 2011. Lápis de Cor, de Alice Gomes – 16min, Brasil 2010. Do lado de fora, de Matheus Peçanha e Paulo Vinicius Luciano – 19min, Brasil 2012. Nave do Conhecimento de Madureira - Parque Madureira, s/nº. Censura: Livre.

 

20h. Babilônia 2000, de Eduardo Coutinho - 80 min, Brasil 2000. As expectativas e sonhos para o ano 2000, pela perspectiva dos moradores do Morro da Babilônia. Sessão Pública ao ar livre. Morro da Babilônia (Leme).

 

Dia 19/08, domingo

 

15h. Mostra Visorama 1 – exibição de seis curtas inéditos: Costurista, Priscila Pacheco – 4min, Brasil 2011. Adriana, Daniel e a Pegada do Melody, de Oficina em Foco (Pará) – 20min, Brasil 2011. Funk Zona Leste, de Direção Coletiva Favela é Isso Aí – 11min, Brasil 2011. Tudo o que aprendi com a pornografia, Cristina de Moraes e Iasmin Cairú – 9min, Brasil 2011. Amor em 3 partes, Marcelo Brito e Rhaiany Fernandes – 10min, Brasil 2012. Vamos jogar, Ana Carolina Barão – 9min, Brasil 2011. Oi Futuro Ipanema - Visconde de Pirajá , 54. Censura: 10 anos.

 

17h. Fronteiras Imaginárias 2 – exibição de quatro curtas inéditos: Quando morremos a noite, de Cavi Borges,Abelardo de Carvalho e Daniel Ribeiro – 20min, Brasil 2011. Garotas da moda, de Tuca Siqueira – 20min, Brasil 2012. Na sua companhia, de Marcelo Caetano – 21min, Brasil 2011. O cadeado, de Leon Sampaio – 12min, Brasil 2012. Oi Futuro Ipanema - Visconde de Pirajá , 54. Censura: 16 anos.

 

 

19h. Exibição de quatro curtas: Providência, de Leonardo Silva de Lima – 9min, Brasil 2011. Carta KisêdJê para a Rio+20, de Kamikia KisêdJê – 11min, Brasil 2012. Santo Tomás, Juan Carreño -15min, Chile 2012. 2016, Direção Coletiva – 5min, Brasil 2011. Sessão Pública ao ar livre. Morro da Mangueira. Censura: Livre.

 

Dia 20/08, segunda-feira

 

18h. Mostra Ibero – exibição de seis curtas: Los pies en la tierra, la vista hacia el cielo, de Victor Cardenas – 3min, Chile 2011. Ditirambo, de Sergio Felizia – 21min, Argentina 2011. La Llamada, de Cineclube Walleker – 20min, Venezuela 2010. Santo Tomás, de Juan Carreño – 15min, Chile 2012. Remoto, de Roberto Perez – 7min, Chile 2011. Nós, de Eva Gonzalez, Nicolás Gonzalez, Horácio Barbalace – 13min, Argentina 2011. Instituto Cervantes - Rua Visconde de Ouro Preto, 62 – Botafogo. Censura: 14 anos.

 

19h. Mostra Terra – exibição de cinco curtas inéditos: Lixo nosso de cada dia, de Guilherme Marques – 6min, Brasil 2011. Zona 63, direção Coletiva – 10min, Brasil 2011. Poluição em Alagado, de Clarissa Rebouças – 13min, Brasil 2011. O artesão do asfalto, dos Alunos da rede publica de ensino do município de Baixo Guandu – 10min, Brasil 2011. Kotkuphi, de Isael Maxakali – 24min, Brasil 2011. Sessão Pública ao ar livre. Morro do Cantagalo - Ipanema. Censura: Livre.

 

 

Dia 21/08, terça-feira

Das 9h às 18h – Oficinas

Local: Nave do Conhecimento de Madureira - Parque Madureira, s/nº.

 

15h. Mostra Ibero-americana 1 – exibição de sete curtas inéditos: Bolivar es El, de Carolina Vásquez Triana – 18min, 2011. Protoparticulas, de Chema Garcia Ibarra – 7min, Espanha 2011. Lágrimas de um palhaço, de Claudio Sá - 6min, Portugal 2011. Los colores de Helena, de Anna Paula Hönig – 11min, Argentina 2012. Las zonas seguras, Nicolás Videla – 16min, Chile 2011. Remoto, de Roberto Perez – 7min, Chile 2011. Nós, Eva González García, Nicolás González Jewkes e Horacio Barbalace – 13min, Argentina 2011. Oi Futuro Ipanema - Visconde de Pirajá , 54. Censura: Livre.

 

 

17h. Cinema da Gema 1 – exibição de sete curtas: No limite do horizonte, de Bia Silva, Dariel Ferreira, Erick Henrique, Henrique Nóbrega, Laio Ferreira, Laís Veríssimo, Marvin Paz, Marcus Vinícius Gonçalves e Tamires Santos de Almeida – 22min, Brasil 2012. Em busca, de Bia Silva, Dariel Ferreira, Erick Henrique, Henrique Nóbrega, Laio Ferreira, Laís Veríssimo, Marvin Paz, Marcus Vinícius Gonçalves e Tamires Santos de Almeida – 10min, Brasil 2009. Coturnos e Bicicletas, de Rodrigo Dutra, Luisa Pitanga, Livia Uchoa, Julia Barreto e Bárbara Morais – 8min, Brasil 2011. O teste, de Janice Gouveia – 7min, Brasil 2011. Barra Agem, de Jorge Costa – 5min, Brasil 2011. 2016, de Ana Paula, Angel Lany, Claudia Santos, Lucas Holanda, Lucas Severo, Alberto Dias, Noeme Ferreira, Renata Pereira, Thatiana Vasconcelos, Tuany Pereira e Victor Nascimento – 5min, Brasil 2011. Eu, favela, de Ana Luiza Mello e Viviane Giaquinta – 6min, Brasil 2011. Oi Futuro Ipanema - Visconde de Pirajá , 54. Censura: 12 anos.

 

 

19h. Mostra Visorama 2 – exibição de seis curtas: De Catraia, Damaris Ribeiro – 9min, Brasil 2011. A Vila, o meu Lugar, dos Alunos da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Maria de Novaes Pinheiro – 10min, Brasil 2011. Do outro lado do Rio, Baruch Blumberg, Carmem Ligia, Cleiton Lobo e Pedro Ivo Marques – 10min, Brasil 2010. Unidos pela mesma história, Ingride Alves e Maria da Penha – 9min, Brasil 2011. Também conhecido por Tijuca, dos Alunos da rede publica de ensino do município de Pancas – ES – 10min, Brasil 2011. Acadêmicos do Vidigal – o começo, de Calucha Câmara – 6min, Brasil 2011. Oi Futuro Ipanema - Visconde de Pirajá , 54. Censura: livre.

 

 

21h. Santa Marta, de Eduardo Coutinho - 50 min, Brasil 1987. A vida retratada dos moradores do Morro Santa Marta na década de 80. Sessão Pública ao ar livre. Morro do Santa Marta - Botafogo.

 

Dia 22/08, quarta-feira

Das 9h às 18h – Oficinas

Local: Nave do Conhecimento de Madureira - Parque Madureira, s/nº.

 

15h. Mostra Transições - exibição de quatro curtas inéditos: Meio-Dia, Isabela, de Evandro Scorsin – 7min, Brasil 2011. Elefante Invisível, de Elisa Ratts – 15min, Brasil 2012. Não Estou Aqui, de Marcus Curvelus – 16min, Brasil 2012. Fotografe a política, de Coletiva A Rede Jovem de Cidadania (MG) – 26min, Brasil 2011. Oi Futuro Ipanema - Visconde de Pirajá , 54. Censura: livre.

 

 

16h – Retrospectiva TV Maxabomba / Programa 1 - exibição de cinco curtas: Eleições Lindomar, de Valter Filé – 10min, Brasil 1990. A pressão, de Breno Kuperman, Noni Carvalho e Valter Filé – 8min, Brasil 1990. A bola mágica, de Noni Carvalho – 10min, Brasil 1995. História de Nova Iguaçu, de Valter Filé – 14min, Brasil 1990. Nem com uma flor, de Valter Filé – 14min, Brasil 1990. Centro Cultural Justiça Federal - Av. Rio Branco, 241 - Centro. Censura: livre.

 

 

17h. Retrospectiva TV Maxabomba / Programa 2 - Exibição de cinco curtas: O maior tesouro do mundo, de Noni Carvalho – 10min, Brasil 1995. Mesquita, de CECIP – 8min, Brasil. Alinhavando uma vida melhor, de Noni Carvalho – 11min, Brasil 1991. Rap — Ritmo e poesia, de Valter Filé – 12min, Brasil 1993. Se liga no Estatuto, de Sérgio Bloch – 18min, Brasil 1997. Centro Cultural Justiça Federal - Av. Rio Branco, 241 - Centro. Censura: Livre.

 

 

17h. Singular Periferia - exibição de seis curtas inéditos: Rezou à família e foi ao cinema, de Cacau Farias, Lucas Ferreira e Rafael Lopes – 18min, Brasil 2012. A lunática vida de um Marisqueiro, de Alunos da Escola Municipal de Ensino Fundamental Hilda Scarpino – 8min, Brasil 2011. Meia-boca Band, de Ruyter Curvello Duarte – 13min, Brasil 2011. João Black, de Rogério Galalau e Felipe Varanda – 6min, Brasil 2011. Tom Zé em: a lavagem das calcinhas voadoras, de Pixel Banana – 11min, Brasil 2011. Zuleno, de Felipe Peres Calheiros – 19min, Brasil 2012. Oi Futuro Ipanema - Visconde de Pirajá , 54. Censura: 10 anos.

 

 

18h. Retrospectiva TV Maxabomba / Programa 3 - exibição de quatro curtas: Os rios nascem no céu, de Daniel Caetano – 18min, Brasil 1997. Meu medo é não ser feliz, de Júlio César Fagundes – 9min, Brasil 1994. KMD5, de Luiz Augusto Tigú – 12min, Brasil 1991. Sem camisinha, não dá!, de Sérgio Goldenberg – 27min, Brasil 1992. Centro Cultural Justiça Federal - Av. Rio Branco, 241 - Centro. Censura: livre.

 

19h. Sons do Mundo - exibição de cinco curtas: Controlando minha maluquez, de Alunos da Escola Estadual de Ensino Médio Mário Gurgel – 9min, Brasil 2011. Viruz Musikal, de Leonardo Oliveira – 10min, Brasil 2011. Terno, bola, vassoura e viola, de Vinícius Souza – 15min, Brasil 2011. Não pode cair a máscara, de Adalmir José – 14min, Brasil 2010. Caxambu do Salgueiro, de Instituto Tear – 22min, Brasil 2011. Centro Cultural Justiça Federal - Av. Rio Branco, 241 - Centro. Censura: 12 anos.

 

 

19h. Visorama 3 - exibição de três curtas inéditos: Onde o tempo corre devagar, de Iara Moura – 26min, Brasil 2012. Marinete, de Coletivo Saudáveis Subversivos – 15min, Brasil 2011. Tente escutar, de Juarez Malavazzi Junior – 13min, Brasil 2011. Oi Futuro Ipanema - Visconde de Pirajá, 54. Censura: 12 anos.

 

 

21h. Santo Forte, de Eduardo Coutinho - 80 min, Brasil 1999. Na favela Parque da Cidade, situada na Zona Sul do Rio de Janeiro, moradores assistem pela televisão à missa celebrada pelo Papa João Paulo II no Aterro do Flamengo, em 1997. Sessão pública ao ar livre. Comunidade Vila Parque da Cidade - Gávea.

 

 

Dia 23/08, quinta-feira

 

15h. Mostra Ibero-Americana 2 - exibição de seis curtas inéditos: Los pies en la tierra, la vista hacia el cielo, de Victor Cárdenas– 3min, Chile 2011. Ojos sintiendo a travez de la penumbra, de Nathaly Reyes e Sergio Sánchez – 2min, Colômbia/Argentina 2011. Circ(uit)o semáforo, de Yasmin Gross Schinke – 2min, México 2012. La resbalosa, de Edilberto Jurado Carvajal – 24min, Colômbia 2010. Ditirambo, de Sergio Felizia – 21min, Argentina 2011. La Llamada, de Livia Montes – 20min, Venezuela 2010. Oi Futuro Ipanema - Visconde de Pirajá, 54. Censura: 14 anos.

 

 

Mesa 2 – 23.08 – 16h – Centro Cultural Justiça Federal

 

Audiovisual e Educação: diálogos possíveis

Em que estágio se encontra hoje o diálogo entre audiovisual e educação nas diversas esferas de intersecção: universidade, organizações não- governamentais e escolas.

 

Valter Filé: atuou em projetos culturais e em ações educativas ligadas aos movimentos populares da Baixada Fluminense. Fez parte do grupo de Teatro do Oprimido com Augusto Boal no inicio dos anos de 1980. Fez parte da TV Maxambomba e da TV Pinel. Atualmente pesquisa TICs e memórias do samba carioca, tendo produzido uma série de programas sobre a vida e a obra de mais de quarenta e cinco compositores. É doutor em educação e professor da UFRRJ.

 

Daniela Araujo: jornalista, Mestre em Educação, Comunicação e Cultura pela FEBF/UERJ, educadora audiovisual e produtora cultural, é Coordenadora de projetos na ONG BemTV Educação e Comunicação onde atua desde a fundação do grupo “Nós na Fita”, em 2000, e se despenha também como coordenadora audiovisual no “Cinema Paraíso”, projeto ligado ao Nucleo Interdisciplinar de Resistência e Arte - NIRA/Faculdade de Formação de Professores/UERJ.

 

Aida Marques: estudou cinema e literatura em Paris. De volta ao Brasil em 1978, passou a desenvolver intensa atividade no campo cinematográfico, trabalhando como montadora para a Embrafilme durante oito anos, enquanto montava, produzia ou dirigia filmes. Mestrado em Comunicação na ECO – UFRJ e doutorado em Cinema na ECA- USP. Chefe do Departamento de cinema e vídeo da UFF de 2006 á 2009. Atual Presidente do FORCINE – Forum Brasileiro das Escolas de Cinema e Audiovisual.

Tiago Dardeau (mediador): é pedagogo, mestrando em Educação pela UERJ. Trabalha em escolas desde 1998 e de lá para cá vem se especializando em mídia-educação. Já trabalhou com oficinas de Comunicação e contribuiu na construção de festivais de vídeo criados por e para adolescentes. Foi coordenador da escola Oga Mitá e hoje trabalha no NAVE (Núcleo Avançado em Educação - uma escola estadual em parceria com o instituto OI Futuro) como coordenador do curso técnico de Narrativas Digitais Interativas."

 

17h. Cinema Da Gema 2 - exibição de cinco curtas: O Gigante do Papelão, de Bárbara Tavares – 11min, Brasil 2010. De segunda a segunda-feira, de Coletivo Cinema Nosso – 10min, Brasil 2011. Retorno à base, de Paulo Barata – 5min, Brasil 2007. Enterro de anão, de Ricardo Rodrigues – 22min, Brasil 2012. O fim do mundo no Morrinho, de Caselli, Petter Baiestorf, Raniere Dias, Cilan Oliveira e Chico Serra – 10min, Brasil 2012. MC Galo, de Rogério Galalau e Felipe Varanda – 7min, Brasil 2011. Oi Futuro Ipanema - Visconde de Pirajá, 54.Censura: 14 anos.

 

 

18h. Retrospectiva TV Maxabomba / Programa 4 - Exibição de três curtas: Crianças de queimados, de Noni Carvalho e Júlio C. Fagundes – 14min, Brasil 1994. Preconceito contra o nordestino?, de Valter Filé – 12min, Brasil 1991. Romildo cheio de cantigas, de Valter Filé – 38min, Brasil 1990. Centro Cultural Justiça Federal - Av. Rio Branco, 241 - Centro. Censura: livre.

 

 

19h. Mostra Memórias Presentes - exibição de quatro curtas inéditos: O começo sem fim, de Alunos da Rede Pública de Ensino do Município de Colatina – ES – 10min, Brasil 2011. Amassa o barro: um passado presente, de Leila Leal, João Mendonça e Antônio Nykiel – 20min, Brasil 2011. Trombas e formoso: memórias de uma luta, de Coletivo Magnífica Mundi – 19min, Brasil 2010. A fotografia e eu, de Coletivo Instituto Acqua – 15min, Brasil 2012. Centro Cultural Justiça Federal - Av. Rio Branco, 241 - Centro. Censura: livre.

 

 

TUDOJUNTOEMISTURADO

COMPETITIVA

 

Mostra competitiva com exibição e votação popular online no site do festival de 13 a 23.08.

 

Exibição de 15 curtas: Botequim, de Luna / Grupo Nós do Morro. A bolsa é minha, de Bruno Zenith. Zé!, de Alex Vieira. As favelas, de Góia e Mingau. Mioma, de Isaac Chueke. Carrossel, de Dalila Alves e Rafael Texeira Roberto. Petróleo, de Pixel Banana. A Corte - Com que roupa, de César Mauricio Alberto / Favela É Isso Aí. Agonia, de Bruno Cardieri. Salão do Ronildo, de Igor Amin / TV Cocriativa. Como se toca se dança, de Rodrigo Cardoso e Rafael Vilela. Side B, de Bárbara Bertoldi. Eu quero fazer um filme, de Andre Araujo Rodrigues. h!hora, de Eduardo Gonçalves Dias. Simpatia, de Kelly Saura.

 

 

Dia 24/08, sexta-feira

 

16h. Lugar Incomum - exibição de quatro curtas inéditos: Anatomias expressivas, de Direção Coletiva (MG) – 15min, Brasil 2012. Catacumbas Transversais, da rede pública de ensino do município de Vila Pavão – 10min, Brasil 2011. Entre vãos, de Luisa Caetano – 20min, Brasil 2011. Olho da rua, de Cavi Borges, Abelardo de Carvalho e Daniel Ribeiro – 15min, Brasil 2011. Centro Cultural Justiça Federal - Av. Rio Branco, 241 - Centro. Censura: livre.

 

 

17h. Filme em curso “A batalha do passinho”, de Emílio Domingos, exibição do filme e debate com o diretor. Centro Cultural Justiça Federal - Av. Rio Branco, 241 - Centro. Censura: livre.

 

 

19h. Viva Favela 10 anos. Viva Favela, um documentário em construção, de Direção Coletiva Viva Favela. Documentário - 30 min, Brasil 2011. Para marcar os dez anos do projeto Viva Favela, o Viva Rio organizou uma oficina para produção coletiva desse filme, que foi selecionado para o Festival de Filmes do Sul, em Oslo, Noruega. Dos fundadores do projeto aos correspondentes do site 2.0, os entrevistados falam da história, das conquistas, das mudanças e também mostram um pouco de suas comunidades. Centro Cultural Justiça Federal - Av. Rio Branco, 241 - Centro.

Fonte: Luíza Martins


Comente aqui...


Você precisa digitar algo na caixa de texto.
Não foi possível enviar seu comentário.
Informe um e-mail válido.
Você precisa informar um nome.
Você precisa digitar algo na caixa de texto.

Jornal do Curta


[confira outras notícias]